Rede aleluia
QUANDO COISAS E PESSOAS NÃO SATISFAZEM
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 29 de setembro de 2020 - 17:13


QUANDO COISAS E PESSOAS NÃO SATISFAZEM

QUANDO COISAS E PESSOAS NÃO SATISFAZEM

Deixa eu lhe contar um segredo que talvez você nunca ouviu, já que ninguém lhe contou. Prometa que não vai contá-lo para ninguém. É segredo. O que aprendemos no mundo? Aprendemos que o importante na nossa vida são as coisas que temos e as pessoas que nos admiram.

O mundo nos ensina isso. Para que você seja uma pessoa feliz, se sinta realizada, seja a “rainha da cocada”, busque obter muitas coisas e ter muitas pessoas na sua vida. Quanto mais dinheiro você tiver, quanto mais roupas das melhores marcas, o melhor carro, uma mansão, mais feliz será. É isso que o mundo nos ensina.

Só que coisas e pessoas não encaixam no buraco que está dentro de nós. Você se lembra do jardim da infância, quando pegávamos um bloquinho triangular para encaixar em um buraco redondo? O que acontecia? Se tentássemos encaixá-lo, ele não entrava. Só a peça correta encaixava naquele espaço. É assim com o vazio que o ser humano sente.

Existem pessoas que sentem um vazio quando são crianças. Muitas já se sentiram rejeitadas, algumas desde o ventre da mãe. Quando as pessoas sentem isso desde a infância, esse vazio, essa carência, a busca pela felicidade e pelo valor próprio se resume à busca por coisas e pessoas, pois o mundo aplaude os ricos. Se você chega com um carro na casa de seus familiares, todos sairão na porta para ver o carrão. Se você aparecer com uma roupa finíssima, todos começarão a vir sobre você como abelhas sobre o mel. Eles vão dizer:

“olha, chegou a ‘gente fina'”. Então as pessoas vão atrás dessas coisas para se sentirem valiosas e importantes.

Dá trabalho fazer empréstimo, fazer crediário em dez vezes sem juros no cartão ou qualquer coisa por um pouco de atenção e por uma migalha. Se elas colocarem uma roupa melhor, os outros vão olhar, então elas vão colocá-la para ter atenção deles. As pessoas buscam, obtendo coisas e conquistando pessoas, o que não descobriram, o amor que nunca tiveram. Elas procuram preencher com isso o amor-próprio e das pessoas. Então é nisso que dá: são as rainhas da cocada, mas rainhas sem coroa e cocada muito ruim. Mas fica aí uma reflexão para você.


reportar erro