Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de junho de 2018 - 03:00


As eleições de 2018 e as fake news

Tribunal Superior Eleitoral se prepara para enfrentar as notícias falsas

“Se o resultado das eleições for fruto da influência das fake news, o pleito poderá ser anulado”. Quem afirma é o ministro Luiz Fux, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Fux fez essa declaração durante a abertura do fórum “Impacto Social, Político e Econômico das Fake News”, nessa quarta-feira (20), em Brasília.

O fórum é organizado pela Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) e contou com a presença de Fux, do presidente da República, Michel Temer, do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do presidente do Senado, Eunício Oliveira e outros importantes nomes da política e da imprensa brasileira.

Conforme declarou o ministro Fux, o TSE está pronto para investigar e punir notícias falsas que visem desestabilizar a campanha de qualquer candidato, mas tem como objetivo prevenir para que não haja necessidade de remediar.

“Estamos chegando às eleições, com voto livre, inclusive da desinformação. As fake news poluem o ambiente democrático, com o candidato revelando sua ira contra o outro, em vez de suas próprias qualidades”, declarou o ministro. “Queremos que a sociedade brasileira, através do voto, dê uma demonstração de ética, de moralidade, de um voto acima de tudo consciente. Um voto consciente é um voto que se baseia na lisura informacional”.

É sua função ajudar nessa luta

O presidente do TSE também ressaltou que as redes sociais têm importante papel na divulgação das notícias falsas. É por meio delas que as pessoas compartilham conteúdos que nem sequer se deram ao trabalho de ler, somente porque o título ou a foto lhes chamou atenção.

“Sempre deve haver uma checagem, não só leitura do título da matéria, mas o seu contexto e, acima de tudo, aquela checagem profunda antes do compartilhamento que acaba difundindo as fake news”, afirmou o ministro.

O Brasil se aproxima de um dos momentos mais importantes de sua História: a escolha do presidente que guiará o país a partir de 2019. E é dever de cada cidadão não espalhar boatos como se fossem fatos. O fortalecimento das fake news têm como único fruto o enfraquecimento da democracia e da verdade.

Para aprender a não ser vítima de fake news em 5 passos, clique aqui.


  • Por Andre Batista / Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil 


reportar erro