Rede aleluia
Pessoas que olhamos mas não vemos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 7 de Novembro de 2013 - 14:02


Pessoas que olhamos mas não vemos

O rapaz que aparece aos 1:15 e novamente aos 1:54 do vídeo acima me disse: “Nós (os moradores de rua) nos sentimos como vermes. Quando buscamos no lixo alguma coisa que outros não quiseram, comida, roupa, é como se fôssemos vermes e não gente.” Hoje com 33 anos de idade, mora na rua há 10.

Alguém disse um dia que somos tão fortes quanto o mais fraco de nós. Quando vemos a situação dessas pessoas e o descaso sofrido por elas por quase cem por cento da sociedade, temos que olhar para nós mesmos e perguntar: O que a condição delas diz a nosso respeito? Por que a grande maioria não faz absolutamente nada pelo próximo? O que nós podemos fazer por essas pessoas, ainda que seja pouco diante de tanta necessidade?
Os Anjos da Noite, trabalho da Universal dirigido especificamente para resgatar os moradores de rua, têm alcançado bons resultados através de seus esforços. Na sua maioria voluntários, são pessoas que decidiram olhar e ver, não olhar e virar o rosto.

"Você comeu alguma coisa hoje?" perguntei este senhor. "Só um café", respondeu.

“Você comeu alguma coisa hoje?” perguntei a este senhor de camisa verde. “Só um café”, respondeu. Eram onze da noite.


reportar erro