Rede aleluia
João 1: O coadjuvante
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 23 de setembro de 2013 - 04:27


João 1: O coadjuvante

João 1: O coadjuvante

Começamos hoje o Propósito de João. Saiba mais aqui.

João, o escritor deste Evangelho, era um dos doze discípulos de Jesus. Não o confunda com o outro João mencionado já aqui no capítulo um e várias vezes neste livro — João Batista. Apenas dois Joãos são mencionados por nome em todo este Evangelho. O primeiro é o Batista e o outro, só de passagem, é o pai do apóstolo Pedro.

O curioso é que João, o autor e discípulo de Jesus, não menciona a si mesmo pelo nome no livro nem uma vez. Se refere apenas como “o outro discípulo” (João 20.3) e “um dos discípulos, aquele a quem Ele (Jesus) amava” (13.23).
Esse esforço proposital de ocultar o próprio nome fala muito a respeito desse discípulo e do que acontecia com as pessoas quando elas encontravam o Senhor Jesus. Era como se elas não vissem mais nenhuma necessidade de exaltarem a si mesmas nesse mundo, mas exaltarem apenas o Senhor Jesus e servirem a outros. João deixa isso bem claro ao fazer do Senhor Jesus o foco do seu Evangelho. Quanto a si próprio, ele se contentava em ser apenas o discípulo “a quem Ele amava”. Para que mais?
Em uma época em que pregadores do Evangelho parecem fazer um esforço sobrenatural para seus nomes aparecerem nas fachadas de suas igrejas, na TV, nos impressos e em tantos outros lugares, o que “o outro discípulo” fez é uma brisa de ar fresco para nós hoje.
Quando você tem um verdadeiro encontro com Deus, todo o desejo de se gloriar e receber reconhecimento das pessoas desaparece. Você não se chateia mais quando as pessoas não olham para você ou lhe desprezam ou falam mal a seu respeito. O fato de você ser um discípulo do Senhor Jesus e ter a certeza que Ele lhe ama, já basta.
Então, todos os seus esforços são para que as pessoas conheçam a Ele também. Ele é o protagonista. Você, apenas o coadjuvante.
E que privilégio por isso.
 
Você já se chateou por ter sido desprezado ou não reconhecido por alguém? O que você acha que deve fazer daqui para frente?
O que mais o Espírito Santo falou com você ao ler o capítulo 1 de João?
Deixe seu comentário abaixo.
21_dias_desafio_de_joao
 
 
O Propósito de João virou livro!
Agora você pode levar as 21 lições práticas com você e viver essa transformadora viagem no tempo em qualquer lugar.
Se você foi ajudado através do Desafio, beneficie também um amigo, presenteando-o com um exemplar.
Disponível para compra no Arca Center. Clique aqui.
 
 
 
unknown.png Curta nossa página no Facebook. 0% de besteira garantido — ou o seu click de volta.
Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…
 
Veja também:
[related_posts limit=”5″]
 
 
 


reportar erro