Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 18 de novembro de 2019 - 07:42


Mar Morto e Mar da Galileia: o mistério de dar e receber

Há um fato muito interessante em Israel que envolve os dois mares naquele país: o mar da Galileia e o mar Morto. O mar da Galileia recebe águas do rio Jordão, que começa bem ao norte de Israel e deságua nele. Toda a região do mar da Galileia é cheia de vida. Ali a economia local prospera. O mar da Galileia devolve água ao sul, que cruza Israel até chegar ao mar Morto, onde o rio Jordão deságua. O mar Morto, por sua vez, não deságua em outro lugar. As águas morrem por lá e ele é chamado assim porque no local não há vida.

A lição que temos com esses dois mares ali dentro da Terra Santa é muito óbvia: quando a pessoa apenas recebe e não dá, não doa, aquilo morre com ela. A pessoa fica infrutífera, sem vida. Pessoas mesquinhas, egoístas, sovinas são solitárias, não desfrutam de grandes amizades. Se existirem pessoas próximas a elas é porque elas têm algum dinheiro e as pessoas estão ali por interesse.

Quando você olha a mentalidade do pobre, você observa que ele pensa assim: eu tenho que receber, porque sou pobre. Além disso, o pobre tem raiva do rico, que tem mais do que ele, tem inveja ou ressentimento e não reparte o que tem. Já o rico entende que tem que investir para ganhar. Ele precisa gastar para ter retorno do investimento.

Essa lei prevalece nesses dois perfis de pessoas e a Palavra de Deus se confirma em relação a isso no livro de Provérbios 11.24: “A quem dá liberalmente, ainda mais se lhe acrescenta mais e mais; ao que retém mais do que é justo, ser-lhe-á em pura perda”. Quem tem e dá liberalmente ganha mais e quem tem e retém acaba perdendo até o que não tem.

Que tipo de pessoa você é? Que tipo de cristão você é? Você acorda pela manhã e pergunta a Deus o que você pode fazer para agradá-Lo mais e para servi-Lo mais? Tem dado daquilo que tem recebido? Ou você tem retido isso? Tem guardado por medo de faltar? Saiba que esse pensamento egoísta é o que vai te levar à miséria e à solidão, porque o pensamento de uma pessoa próspera e cheia de vida, rica espiritualmente e fisicamente, é o de uma pessoa liberal, que dá e não tem medo de perder e de investir com inteligência. O rico não queima dinheiro, não joga dinheiro fora, mas sabe que se não investir não vai ter retorno.

(Você também pode ouvir o áudio acima – 8 mins).


reportar erro