Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 18 de janeiro de 2013 - 07:53


Eu, viciado

Todo ser humano é um viciado. No sentido mais básico da palavra, vício é qualquer hábito de fazer alguma coisa repetidamente que traz algum prazer momentâneo mas no fundo nos prejudica.

Portanto, por esta definição, todo mundo é viciado. Sejamos honestos. Quantas coisas praticamos que nos trazem prazer na hora mais na verdade estão nos destruindo aos poucos—ou no mínimo nos impedindo de desenvolver?

Comer muito sal ou açúcar, contar uma mentirinha, ficar horas no vídeo game, assistir pornografia ou consumir outras sujeiras na Internet, tomar remédios desnecessários, fumar, ser dependente de uma outra pessoa, usar drogas leves ou pesadas, beber refrigerante, ter explosões de raiva… Uma vez eu conheci alguém que era viciada em comer papel! Ela literalmente comprava blocos de anotações na papelaria todos os dias, tirava as folhas e comia…

Portanto, todo mundo tem pelo menos um vício. E o primeiro passo para ser livre dele é reconhecer que o tem.

O segundo passo é admitir que precisa de ajuda para parar. A marca de um viciado é mentir para si mesmo quando diz “posso parar quando quiser”. Se você pudesse, já teria parado.

A ferramenta que mais libertou viciados na história da humanidade, de longe, é a fé. E é esta ferramenta que estaremos usando para ajudar você ou um familiar que queira se livrar de um vício, seja ele qual for.

O que fazer?

  1. Reconheça seu vício e que precisa de ajuda.
  2. Escreva qual o seu vício em um papel e faça um pedido a Deus que lhe ajude vencê-lo.
  3. Vá até à Universal mais próxima de você (em todo o Brasil e no mundo) neste domingo 9h30 e traga o papel com você.

Haverá uma reunião dirigida especialmente para você, onde receberá orientações, encorajamento, fé e motivação para se livrar do problema de uma vez por todas. Eu estarei pessoalmente aqui em São Paulo, na Vila Mariana – Rua Domingos de Morais, 2051.

Um pedido: se você conhece alguém que também precisa e quer muito se livrar de um vício, encaminhe esta mensagem para ele(a) e convide-o a participar também. Obrigado.


reportar erro