Rede aleluia
Dois tipos de mentirosos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 12 de maio de 2014 - 19:45


Dois tipos de mentirosos

Dois tipos de mentirosos

Ninguém acredita no mentiroso, nem quando ele diz a verdade. Mentir é uma das atitudes mais burras que existem. Não funciona — às vezes nem a curto prazo. Mas mesmo assim é praticada por muitos.

Há dois tipos de mentirosos:

  1. Aqueles que mentem por medo. Seja vergonha da verdade, culpa, medo de ser confrontado ou enfrentar as consequências, medo de perder bens, a amizade ou amor de alguém — esses mentirosos são aqueles que mentem quando dizer a verdade seria muito, muito mais fácil. Por alguma coisa mal resolvida dentro deles, esse medo é mais forte que a razão.
  2. Aqueles que mentem como modo de operar. Estes enganam deliberadamente, sem ressentimento ou reserva, a fim de alcançar seus objetivos egoístas. Sabem o que estão fazendo. São bons nisso. Convincentes. E perigosos.

Meu conselho: fuja dos últimos e evite os primeiros. O grande erro de muitos é achar que os do primeiro grupo são pobres vítimas e que com muito amor e paciência poderão mudar.
Sim, mudança sempre é possível, e sou o primeiro a crer nisso. Mas não são amor e paciência que vão causar essa mudança. Perdoar o mentiroso e deixá-lo se sentir a vítima não o ajudará. Sua melhor chance de mudar é sofrer as consequências de suas mentiras. Assim, a dor, a perda, a vergonha, a humilhação e outros castigos que a própria vida impõe aos mentirosos podem levá-los ao verdadeiro arrependimento.
Se você está em um relacionamento com um mentiroso, pare tudo. Resolva a questão da mentira primeiro. Não há relacionamento onde há mentira. Portanto, se ela não for resolvida, o relacionamento não pode continuar — não importa quantas coisas positivas existam além das mentiras.
Vou repetir: não há relacionamento onde há mentira.
Se você pensa que há, aí você está mentindo para si mesmo.
 
 
Veja também:

Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…
 
 


reportar erro