Rede aleluia
Colocando limites no comportamento dos filhos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 23 de outubro de 2012 - 02:06


Colocando limites no comportamento dos filhos

Colocando limites no comportamento dos filhos

Deus, como Pai, sempre usou leis e mandamentos para colocar certos limites ao ser humano. Já no Éden, determinou que o homem não tocasse nas árvores da vida e do conhecimento do bem e do mal. (O dízimo, por exemplo, é um tipo de “árvore do Éden”, um limite que Ele também usa para que o ser humano saiba que não é Deus). Quando o povo de Israel saiu do Egito, a primeira coisa que Deus fez foi dar leis a Moisés, para que este as passasse ao povo. Aquelas leis eram os limites, os mandamentos designados para organizar a vida dos Israelitas, que até então não tinham um código de lei próprio. 

Pais e mães podem tirar daí um precioso exemplo de como o próprio Deus lida com seus filhos. Ele sabe que se limites não forem colocados às pessoas, elas viverão de maneira desordenada e ferirão a si mesmas e a outras.

Um dos problemas mais sérios atualmente nos lares onde há filhos—pequenos, adolescentes, ou até adultos—é a falta de limites. Os pais, ora por ignorância, ora por não quererem ter dor de cabeça ou simplesmente para agradar os filhos, acabam deixando seus filhos fazerem o que quiserem, sem limites. Podem jogar videogame duas, três, cinco horas por dia, podem surfar a Internet sozinhos no quarto, podem ficar duas horas no telefone com as amigas da escola, podem deixar o quarto desarrumado que para os pais limparem mais tarde, podem não sentar na mesa para comerem com a família, podem gritar com os pais, podem morar em casa já em idade adulta e não contribuir com nada, podem namorar quem quiser os pais não precisam nem conhecer… e por aí vai.

Apesar de não gostarem que os pais imponham limites e regras, filhos precisam disso. A imaturidade e a inclinação para o mal que toda criança e jovem tem são receita para se tornarem desastres humanos, se forem deixados sem nenhuma disciplina.

Por isso, pai e mãe devem agir em conjunto para determinar certos limites e regras aos seus filhos, visando o bem deles. Comunicar bem essas regras aos seus filhos e não ter medo de aplicá-las. E sempre lembrar que o objetivo é protegê-los do mundo e deles mesmos—mas não exagerar na dureza e rigor. Pais devem ser equilibrados, permitir certos errinhos de seus filhos e não viver pegando no pé deles toda hora por qualquer coisa. Mas nas coisas principais, devem ser firmes e justos.


reportar erro