Rede aleluia
TikTok: rede social chinesa estaria banindo conteúdo cristão
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de Setembro de 2021 - 19:11


TikTok: rede social chinesa estaria banindo conteúdo cristão

Usuários têm denunciado censura de conteúdo sobre Deus e Sua Palavra na plataforma, enquanto conteúdos de apologia ao uso de drogas segue sendo divulgado

TikTok: rede social chinesa estaria banindo conteúdo cristão

As redes sociais possibilitaram a democratização da informação. Com apenas alguns cliques uma pessoa pode compartilhar seus pensamentos, curiosidades e sua vida pessoal.

Contudo, alguns usuários do TikTok têm afirmado que seus conteúdos sobre Deus e o Senhor Jesus estão sendo censurados e algumas contas, inclusive, estariam sendo excluídas.

O portal cristão AoC Networking produziu um vídeo em que conta como seus vídeos tinham milhões de visualizações e, de repente, deixaram de ter o mesmo alcance.

Eles dizem que os “vídeos estavam recebendo várias centenas de milhares e até milhões de visualizações no aplicativo”. Contudo, de repente, tudo mudou.

“De repente, durante a noite, com um toque de botão carregávamos um vídeo e de repente, ele mal chegava a mil [visualizações]”, disse o grupo no vídeo, que foi publicado no YouTube. 

O grupo ainda destacou que o número de visualizações não corresponde a quantidade de seguidores que possui na plataforma. O AoC possui mais de 420 mil seguidores, mas seus conteúdos passaram a ser entregues a uma base de pouco mais de mil. 

“Estávamos apenas criando conteúdo inspirador sobre Deus, não é nem mesmo polêmico. {…} Estávamos apenas postando conteúdo bíblico encorajador”, afirma o grupo.

Segundo eles, quando se pronunciaram sobre o que estaria acontecendo com sua conta, outros criadores de conteúdos cristãos se manifestaram dizendo que o mesmo acontecia com eles. 

Alguns, inclusive, foram banidos da plataforma após publicarem conteúdos cristãos sob a alegação de que eles estariam compartilhando discurso de ódio.

Confira o vídeo completo do AoC Networking. Se for preciso, ative a legenda em português:

O que está acontecendo com o AoC e alguns outros produtores de conteúdo chama-se Shadowban.

O que é Shadowban?

Shadowban é uma forma da plataforma censurar o produtor de conteúdo, sem que ele seja expulso da plataforma.

Funciona da seguinte forma: a pessoa que está sob o Shadowban tem seu conteúdo entregue apenas a quem já o segue, quando é entregue. Deste modo, o alcance dos conteúdos compartilhados fica limitado e a rede não é ampliada, uma vez que o conteúdo não chega às pessoas que ainda não conhecem a conta que compartilhou o conteúdo.

O AoC ainda questionou que, enquanto conteúdos cristãos estão sendo banidos e censurados, vídeos de outras religiões e horóscopos, por exemplo, seguem sendo entregues aos usuários da plataforma. 

O fato é que crianças e adolescentes estão cada dia mais viciados em um ambiente que cada dia que passa, esconde ainda mais o Evangelho, enquanto conteúdos pornográficos estão sendo compartilhados sem restrições.

Uma investigação feita pelo The Wall Street Journal mostrou que o algoritmo do TikTok está expondo crianças a conteúdos sexuais e com apologia ao uso de drogas. Para o relatório “Como o TikTok entrega vídeos de sexo e droga para menores”, os repórteres do jornal criaram contas supondo que fossem usuários entre 13 e 15 anos se surpreenderam com o conteúdo entregue a essas contas. 

“TikTok atendeu uma conta registrada como um garoto de 13 anos de pelo menos 569 vídeos sobre uso de drogas, referências ao vício em cocaína e metanfetamina e vídeos promocionais para vendas online de drogas e parafernália. Centenas de vídeos semelhantes apareceram nos feeds de outras contas menores do Journal ”, diz o artigo. 

“O TikTok também mostrou aos usuários adolescentes do Journal mais de 100 vídeos de contas que recomendavam sites de pornografia pagos e sex shops. Milhares de outras pessoas eram de criadores que rotularam seu conteúdo como exclusivo para adultos. ”

Origem

O TikTok foi criado na China, país onde o cristianismo é amplamente perseguido. A rede social ficou famosa por promover vídeos curtos e com alto poder de entretenimento, principalmente aos jovens. A plataforma já passou de 1 bilhão de usuários e já se consolidou entre as redes sociais mais queridas pela população jovem.

Contudo, desde o início do sucesso mundial, especialistas de segurança alertavam sobre a segurança de dados da plataforma. Ano passado, o então presidente Donald Trump chegou a proibir o uso do aplicativo nos Estados Unidos afirmando que o aplicativo estaria sendo utilizado para espionar cidadãos americanos. 

A China é um país de regime comunista. Países comunistas vivem sob regimes absolutistas que têm como um de seus objetivos cercear liberdades dos indivíduos, inclusive, a religiosa. A perseguição não se limita à política, mas também à fé que é professada pelos cidadãos do país, principalmente a cristã.

Por lá, a perseguição contra cristãos é cada dia mais noticiada pelo mundo. Recentemente, noticiamos que o governo estaria tirando o auxílio governamental de pessoas que não negassem sua fé, destruindo igrejas em meio à pandemia, e prendendo pessoas que participavam de cultos domésticos. E esses são apenas alguns episódios.

Portanto, não é de se estranhar que conteúdos cristãos sejam censurados de uma plataforma de origem do país asiático, enquanto apologia ao uso de drogas e conteúdos sexuais sejam amplamente entregue aos usuários. 


TikTok: rede social chinesa estaria banindo conteúdo cristão
  • Rafaela Dias/ Fotos: iStock 


reportar erro