Rede aleluia
Prefeitura de São Paulo mantém repasse de 33 milhões ao carnaval
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Fevereiro de 2021 - 18:38


Prefeitura de São Paulo mantém repasse de 33 milhões ao carnaval

Contudo, a celebração deste ano foi cancelada devido à pandemia de COVID-19

Prefeitura de São Paulo mantém repasse de 33 milhões ao carnaval

O carnaval da cidade de São Paulo é um dos maiores do Brasil. Não apenas em público, como também em investimento e faturamento.

Em 2020, apenas poucos dias antes da Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar a pandemia de COVID-19 — mas, com a doença já alastrada em todo o mundo –, a celebração aconteceu e bateu recordes. Mais de 15 milhões de pessoas participaram do carnaval e 600 blocos saíram às ruas da capital paulista.

Na ocasião, foram gastos mais de 36 milhões de reais e houve um retorno financeiro de 2,3 bilhões para a cidade. Por sua vez, em 2021, mesmo sem a celebração — inclusive com o cancelamento do feriado, anunciado em 12 de fevereiro pelo prefeito Bruno Covas –, a Prefeitura manteve o repasse para escolas e agremiações carnavalescas.

Em novembro último, quando ainda se tinha alguma perspectiva de realizar o carnaval neste ano, a Secretaria Municipal do Turismo e a SPTuris (Empresa de Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo) assinaram um contrato de apoio prevendo o repasse de verba, assim como já acontece todos os anos. Neste caso, o valor firmado foi de 33 milhões de reais.

Do total, quase 13 milhões de reais já teriam sido pagos nos dois últimos meses do ano passado. Um dia após o prefeito Bruno Covas cancelar o feriado de carnaval, foi publicado no Diário Oficial (de 13 de fevereiro de 2021) a reserva feita pela Secretaria de Turismo, de cerca de 20 milhões de reais, para completar o pagamento do repasse.

Dinheiro público

Embora se saiba que o carnaval gere e mantenha anualmente muitos empregos, além de arrecadar altos montantes com patrocinadores, também é notório que, para se manter essa celebração, é necessário um investimento semelhantemente milionário e proveniente do dinheiro público, de impostos pagos pelos cidadãos.

A jornalista Ana Carolina Cury, em sua coluna no R7, abordou recentemente o assunto ao falar sobre o futuro do carnaval e como os acontecimentos dos últimos anos mostram a necessidade de repensar como a festa é realizada. Além de outras questões — que você pode ler aqui na íntegra –, Cury levantou a problemática do investimento público na celebração:

“Muitos que gostam, defendem a festa e afirmam que é um patrimônio histórico e cultural (…) além de exercer um peso na economia do país. Ora, me pergunto, então: se a festa gera tanto dinheiro assim, ela não deveria depender 1% do dinheiro público (…) Por que quem não concorda com o carnaval é obrigado a custeá-lo e fingir que não liga para isso? Com tantas mazelas sociais que assolam o Brasil, temos que financiá-lo com nossos impostos? Não deveria ser função do Estado patrocinar um espetáculo que, cada ano que passa, cobra ingressos altíssimos e mantém camarotes caríssimos? Não faz sentido algum continuar usando verba pública nele”, pontuou.

Ademais, com o cenário de crise sanitária, social e econômica sem precedentes que a pandemia de COVID-19 trouxe, não só para São Paulo ou para o Brasil, mas em todo o mundo, um gasto público exorbitante, ainda com uma festa que foi cancelada, é, no mínimo, ultrajante para a população de uma cidade que, diariamente, convive com as desigualdades sociais.

Leia mais sobre esse tema e reflita

Clique no link abaixo, veja o que está por trás do cancelamento do carnaval e como a possiblidade de arrecadar muito não foi o bastante para que a celebração de 2021 acontecesse.

Vereadores de São Paulo debatem o assunto

No dia 23 de fevereiro último, em Sessão Ordinária na Câmara Municipal de São Paulo, vereadores utilizaram a tribuna do Plenário 1º de Maio e o sistema virtual do Parlamento paulistano para discursar sobre assuntos de interesse público, entre eles o carnaval de 2021.

De acordo com o texto veiculado no site da Câmara Municipal de São Paulo, o vereador André Santos (Republicanos) foi um dos parlamentares que se posicionou sobre o assunto. Ele exibiu uma reportagem que tratou do repasse de verba para o carnaval deste ano e também repercutiu a informação veiculada em portais de notícia. O vereador encaminhou um ofício à Presidência da Câmara para pedir explicações do Executivo municipal.

“Não há crítica na questão da cultura, mas há crítica no desperdício do dinheiro público. Se na cultura estiver sendo utilizado e bem utilizado o dinheiro público, nós apoiamos. Mas, se em qualquer órgão da cidade o dinheiro público for aplicado de maneira a ser desperdiçado, nós não somos favoráveis”, disse. Abaixo, assista ao vídeo da Sessão na íntegra.

 

(*) Texto atualizado às 13h11 do dia 24/02/2021.


Prefeitura de São Paulo mantém repasse de 33 milhões ao carnaval
  • Redação (*) / Foto: Getty Images 


reportar erro