Rede aleluia
Crianças com autonomia para escolher o próprio gênero: é justo ou um crime?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de Abril de 2022 - 16:29


Crianças com autonomia para escolher o próprio gênero: é justo ou um crime?

O assunto foi discutido no programa Fala Que Eu Te Escuto

Crianças com autonomia para escolher o próprio gênero: é justo ou um crime?

Em certos países, já existem leis que determinam que crianças e adolescentes podem escolher o gênero que prefere, independentemente do seu sexo biológico. Mas, afinal: menores de idade, que não têm a mínima noção do que querem no futuro, possuem discernimento para decidir questões tão profundas quanto essa?

Quadro geral:

Para discutir o assunto e debater se permitir que crianças e adolescentes decidam fazer a cirurgia de mudança de sexo, é justo ou um crime, o Fala Que Eu Te Escuto ouviu especialistas.

Em reportagem, o programa – apresentado pelo Bispo Adilson Silva – mostrou que na Austrália, a justiça permitiu a cirurgia de redesignação de gênero em uma criança de apenas cinco anos a pedido dos próprios pais.

Já na Escócia, com as novas diretrizes de inclusão, apenas com quatro anos, a criança pode escolher o gênero preferido na escola, sem a necessidade do consentimento dos pais.

Enquanto isso, no Brasil, na cidade de São José dos Campos, em São Paulo, existe um projeto contra a ideologia de gênero. Contudo, teve parecer contrário pela Câmara Municipal de São José dos Campos.

Opinião de especialistas:

Ouvida pelo programa, a psicóloga e especialista em educação sexual Mary Neide Figueiró (foto abaixo) pontuou o quanto é prejudicial e desnecessário informar para uma criança que ela pode escolher o seu gênero.

“Isso é muito sério e complicado, pois a criança ainda está em desenvolvimento, precisa adquirir a maturidade e ser avaliada por uma equipe multidisciplinar, para tomar essa decisão”, ponderou a especialista.

Já para Edilene Helvecio, professora de educação infantil, a ideologia de gênero vai contra a ciência. “As pessoas que criaram essa ideologia querem propor uma verdade acima do que já existe e todo mundo tem que aceitar, mas vai até contra a ciência”, disse ela. 

Clique aqui e assista ao programa na íntegra para conferir a opinião de mais especialistas.

Anote aí:

No documentário “O Vestido Roxo”, disponível na plataforma Univer Vídeo, é mostrada a história real de Walt Heyer, que desistiu de ser trans após fazer a cirurgia de redesignação de gênero.

A produção revela toda crise de identidade vivida por ele e como a fé o fez enxergar o que era realmente melhor para ele. Clique aqui e assine agora para assistir.


Crianças com autonomia para escolher o próprio gênero: é justo ou um crime?
  • Isabel Tavares / Foto: iStock e Reprodução 


reportar erro