Rede aleluia
Ações da Netflix caem diante da perda de usuários
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de Janeiro de 2020 - 11:30


Ações da Netflix caem diante da perda de usuários

Desvalorização coincide com revolta causada pelo especial de Natal do Porta dos Fundos

Ações da Netflix caem diante da perda de usuários

De acordo com o site Business Insider, especializado em finanças, as ações do serviço de streaming Netflix desvalorizaram no último trimestre de 2019. Isso em decorrência do recuo de 3% do número de usuários ativos, em relação ao trimestre anterior.

A desvalorização também se dá porque, conforme o grupo financeiro multinacional Goldman Sachs ressaltou em dezembro, a expectativa de crescimento da Netflix em 2020 é extremamente baixo.

Vale ressaltar que foi no último trimestre – mais precisamente no dia 3 de dezembro – que a Netflix, em sociedade com o grupo humorístico Porta dos Fundos, levou ao ar o “especial de Natal” A Primeira Tentação de Cristo.

Em todo o filme são exibidas cenas de promiscuidade e violência verbal. Tal filme ofendeu cristãos de diversas religiões.

A revolta dos telespectadores foi tão grande que inúmeras pessoas anunciaram na internet que cancelariam suas assinaturas. Ademais, um abaixo-assinado para que o filme fosse retirado do streaming já conta com mais de 2.300.000 assinaturas até o fechamento desta reportagem.

Conforme explica o Bispo Renato Cardoso, tal reação do público é justificável porque o filme “está mexendo com algo muito íntimo da pessoa. E isso não é certo para nenhuma religião. Cristãos, judeus, muçulmanos ou quem quer que seja.”

Conheça a opinião completa do Bispo clicando aqui.


reportar erro