Rede aleluia
Pensamento #33 — Amaricando o Senhor dos Exércitos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 12 de Julho de 2014 - 00:01


Pensamento #33 — Amaricando o Senhor dos Exércitos

Pensamento #33 — Amaricando o Senhor dos Exércitos

Parte da série “40 Pensamentos de Jesus”. Veja todos os anteriores aqui, mas primeiro saiba como funciona o propósito aqui.

O que você vai fazer, faça logo! João 13.27

Tradicionalmente, as religiões sempre pintaram a imagem de Jesus como alguém meigo, dócil, submisso e gentil. Uma rápida olhada nas obras de arte sacra lhe mostrará isso. Jesus com carinha de anjo. Jesus com unhas feitas. Jesus com cabelo de chapinha. Jesus desmunhecado. Jesus com um cordeirinho nos ombros. Sempre inofensivo. Um doce de pessoa.
Se a estratégia era fazer com que Seus seguidores se tornassem como aquela imagem, funcionou. Note a diferença entre os primeiros seguidores de Jesus e os de hoje.
Os primeiros cristãos viram Jesus em carne e osso. Os que não, O conheceram pelos apóstolos que haviam estado com Ele. Por isso eram destemidos, entregues, ousados… revolucionários. Não se intimidavam diante das implacáveis perseguições. Eram iguais ao seu Mestre. Mas como eram, e são até hoje, os cristãos que nasceram após a Igreja Romana, que virou instituição religiosa e tradicionalizou a fé? Iguais àquela imagem amaricada de Jesus criada pelos artistas religiosos. “Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem e quantos neles confiam.” (Salmo 115.8)
Por que essa estratégia? Simples: pessoas passivas não incomodam ninguém. Os poderosos têm interesse nisso. É mais fácil controlar um povo que não reage a nada. A religião sempre foi uma arma eficaz nas mãos deles.
No Pensamento acima, vemos, como um raio de luz por uma brecha no telhado, um pouco da impetuosidade de Jesus ao falar com o traidor, Judas, já possuído por Satanás: “Pode vir! Vamos acabar logo com isso.” Anteriormente, ao receber um recado de ameaça do Rei Herodes, respondeu à altura: “Vão e digam para aquela raposa que Eu mandei dizer o seguinte…” (Lucas 13.32)
Se você receber o Espírito do verdadeiro Jesus, você também terá a coragem, o destemor e a intrepidez para enfrentar tudo o que lhe afronta. Sim, há hora certa para ser dócil e gentil. Quando os problemas atacam, não é essa hora.
Aplicação: Seja impetuoso e corajoso no momento da luta. Choro, passividade e pena de si mesmo não vão lhe ajudar em nada.
Você já tinha reparado os Jesuses amaricados que existem por aí? E os cristãos bananas que são fortes nos conhecimentos e fracos na fé? Como você precisaria ajustar sua visão de Jesus para que ela impacte nas suas atitudes? Deixe seu comentário.
 
Veja também:

Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…
 
 


reportar erro