Rede aleluia
Pensamento #26 — Desconfie de quem jura
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 5 de Julho de 2014 - 00:01


Pensamento #26 — Desconfie de quem jura

Pensamento #26 — Desconfie de quem jura

Parte da série “40 Pensamentos de Jesus”. Veja todos os anteriores aqui, mas primeiro saiba como funciona o propósito aqui.

Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar vem do maligno. Mateus 5.37

“Deus é minha testemunha…” “Juro pela alma da minha mãe…” “Diante de Deus…” Você já usou estas ou outras expressões semelhantes para afirmar que você estava falando a verdade?
Segundo este Pensamento de Jesus, quem é verdadeiro não precisa jurar por nada nem ninguém. Uma palavra basta. Seu sim é sim. Não há dúvida. Não existe um “porém”. O mesmo com seu não.
Novamente aqui Jesus joga os padrões de caráter e conduta lá para cima. Os judeus estavam acostumados a jurar pelo céu, por Jerusalém, ou por suas próprias vidas. Porém, assim como juravam com base na Lei de Moisés, também quebravam seus juramentos quando lhes convinha, usando outra parte da Lei. Suas promessas e juramentos não valiam nada. O que Jesus estabelece aqui é que nossa reputação por dizer a verdade deve ser tão impecável que ninguém ache necessário que confirmemos nossas palavras com um juramento.
Adotar esse padrão exige de nós uma reforma total em nossa maneira de pensar e falar. No pensar, precisamos aprender a não ficar na dúvida, entre o sim e o não, indefinidos em nossas opiniões. Temos que nos treinar a decidir pelo sim ou pelo não com firmeza e rapidez. Afinal, quem e o que está na frente, atrás, ao lado, acima, abaixo e entre o sim e o não? O diabo e suas sugestões. Se reformarmos nossa maneira de pensar e escolhermos sempre o sim ou o não, em qualquer situação, venceremos nossas dúvidas e fraquezas.
Daí, a outra metade: ser verdadeiro e firme nas palavras. Zele por elas. Cumpra o que você diz. Por isso, não seja precipitado no falar. Não embeleze seu discurso para impressionar ninguém. Não prometa mais do que pode cumprir. Quando você construir essa reputação, sua palavra valerá mais que ouro, literalmente. E você não precisará fortalecê-la com juramentos.
Aplicação: Treine sua mente a decidir com firmeza e rapidez entre o sim e o não, sempre. E zele por suas palavras para que sejam sempre verdadeiras e cumpridas.
Você muda muito de pensamento? Tem dificuldade de firmar uma opinião ou decisão? Qual a reputação de suas palavras entre os que lhe conhecem? Há alguém que deixou de confiar no que você fala? Você tem o hábito de usar alguma frase tipo “diante de Deus…” para confirmar que está dizendo a verdade? O que você precisa mudar para construir uma impecável reputação de ser verdadeiro? Deixe seu comentário.
 
Veja também:

Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…
 
 
unknown.png Curta nossa página no Facebook. 0% de besteira garantido — ou o seu click de volta.
 
 
 


reportar erro