Rede aleluia
Pensamento #25 — As duas pernas
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 4 de julho de 2014 - 00:01


Pensamento #25 — As duas pernas

Pensamento #25 — As duas pernas

Parte da série “40 Pensamentos de Jesus”. Veja todos os anteriores aqui, mas primeiro saiba como funciona o propósito aqui.

Segue-Me. João 1.43

É difícil imaginar como que as pessoas deixavam suas casas, negócios, amigos, familiares, medos, dúvidas e planos pessoais ao som de apenas duas palavras vindas da boca de Jesus: “Segue-Me”.
O que Ele tinha que, ao ouvir essas palavras e olhar para Ele, as pessoas viam algo muito maior, mais importante e mais valioso do que tudo o que elas conheciam e tinham até então? Como é que elas, de repente, sem muita consideração, deixavam tudo e O seguiam, sem informações adicionais?
É bem verdade que nem todos aceitavam o convite. Alguns confiavam mais no que já tinham e conheciam. Duvidavam das palavras d’Ele. A sua descrença era maior que sua fé.
O que eles não entendiam era que se Jesus fosse dar maiores explicações, riqueza de detalhes sobre o que iria acontecer se eles deixassem tudo para segui-Lo, eles não necessitariam fé. Se Ele explicasse e dissesse, “Segue-Me porque assim terás direção para tua vida; Comigo sempre estarás seguro pois Eu sou o Filho de Deus; nunca deixarei que nada te falte; tu serás infinitamente mais feliz e melhor do que és hoje…” — aí o apelo já começa a parecer um bom negócio. Não necessita fé, apenas inteligência.
Inteligência é imprescindível, mas não é tudo. A fé transcende a inteligência. Por isso que essas duas quando aliadas tornam a pessoa invencível. Nunca despreze uma a favor da outra. Use ambas igualmente.
Quem tem inteligência e fé, não hesita em seguir Jesus. N’Ele estão a direção para a vida e a segurança para o amanhã. Quem O segue, não erra.
Aplicação: Use sua fé aliada à sua inteligência, sempre. Como suas duas pernas, dê um passo com uma e outro com a outra. Não ande por aí como Saci-Pererê.
Você tem seguido Jesus? De perto ou de longe? De fato ou só de mente? Você tem equilibrado bem o uso da fé e da inteligência ou tende mais para uma ou outra? Por que você acha que algumas pessoas não respondem ao “Segue-Me”? Deixe seu comentário.
 
Veja também:

Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…
 
 
unknown.png Curta nossa página no Facebook. 0% de besteira garantido — ou o seu click de volta.
 
 


reportar erro