Rede aleluia
Pensamento #17 — A regra de ouro
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 26 de Junho de 2014 - 00:01


Pensamento #17 — A regra de ouro

Pensamento #17 — A regra de ouro

Parte da série “40 Pensamentos de Jesus” — comece a ler desde o #1 aqui…

Por que é que você vê o cisco que está no olho do seu irmão e não repara na trave de madeira que está no seu próprio olho? Como é que você pode dizer ao seu irmão: “Irmão, me deixe tirar esse cisco do seu olho”, se você não repara na trave que está no seu próprio olho? Hipócrita! Tire primeiro a trave que está no seu olho e então poderá ver bem para tirar o cisco que está no olho do seu irmão. Lucas 6.41,42

A regra de ouro na vida! Limpe bem sua casa antes de criticar a sujeira na casa do vizinho. Tão óbvio. Tão eficaz. Tão pouco praticado.
Todos os problemas de casamento seriam resolvidos se os casais tão somente seguissem essa regra. E outros problemas familiares. E os conflitos no local de trabalho. E as diferenças entre as pessoas de todas as classes, em todo lugar.
Mas por que somos tão dispostos e ávidos para encontrar defeitos nos outros? E por que somos tão cegos aos nossos próprios defeitos? É a nossa profunda carência de sentir que temos valor. Desde que Adão e Eva pecaram e se eximiram de culpa, jogando-a sobre outrem, o ser humano sofre com esta carência. No fundo, sabemos que erramos, temos consciência de que deixamos a desejar, mas lutamos desesperadamente para que esta nudez não nos seja descoberta. Por isso, nos convém apontar os erros dos outros para que a atenção saia de cima dos nossos.
Paradoxalmente, o começo da autovalorização e de ser valorizado por outros é reconhecer nossos próprios erros. Experimente fazer isso e deixar de se incomodar com o cisco no olho dos outros.
Aplicação: Trabalhe para tirar a trave do seu olho. Tem trave o suficiente aí para lhe manter entretido por muitos anos.
Quais as traves no seu olho que precisam ser tiradas? O que aconteceria se você deixasse de obcecar com os erros dos outros e focasse mais em se tornar uma pessoa melhor? Existe alguém em sua vida que você vive tentando “consertar”? Deixe seu comentário.
 
 
Veja também:

Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…


reportar erro