Rede aleluia
“Quantas pessoas eu matei?”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Núbia Siqueira | 10 de Maio de 2021 - 14:00


“Quantas pessoas eu matei?”

Leia e medite na mensagem de hoje

“Quantas pessoas eu matei?”

O mundo está um caos, e não precisa ser um grande observador da realidade para perceber isso.

Dói tomar conhecimento dos fatos divulgados pela imprensa todos os dias. Uma tragédia após a outra. Não há mais tempo nem de processar uma perda e já vem outra e outra…

Haja lágrima para derramar diante de tanto sofrimento! Vivemos a mesma dor que viveu Jeremias. O profeta viu a destruição do seu povo nos dias da invasão do império babilônico ao reino de Judá. Ele pregou, intercedeu e chorou continuamente por anos.

Enquanto anunciava o juízo, Jeremias sentia e externava também a sua dor em ver tanta maldade.

“OH! Se a minha cabeça se tornasse em águas, e os meus olhos numa fonte de lágrimas! Então choraria de dia e de noite os mortos da filha do meu povo.” Jeremias 9:1

Precisamos pregar. Precisamos regar as sementes com as nossas lágrimas e orações.

Que não sejamos indiferentes e egoístas, ao ponto de nos furtarmos da responsabilidade que nos foi dada de ser luz e sal.

Receber o Evangelho é a única esperança para o homem, pois estar no inabalável Reino de Deus, dá-nos a paz e a segurança que nos falta neste mundo sombrio.

O jovem que causou a morte de cinco pessoas em Santa Catarina, mesmo ferido, queria saber quantas pessoas ele tinha conseguido matar.

Não sei quais foram às motivações para o seu ato e quais condições psíquicas ele estava.

Contudo, a sua pergunta gera uma reflexão:

Se alguém tem sede de levar outros a perecer, tenho eu sede de resgatar, ou livrar aquele que sofre?

Quantas pessoas eu salvei de alguma forma?

São tantos doentes, famintos, desesperançados, enlutados, deprimidos…

Façamos o que está ao nosso alcance fazer.

Porque, quem é insensível à dor do outro nessa crise tão grave, já se graduou no pior nível de maldade. É um doutorado em diabolismo. Só pode!


“Quantas pessoas eu matei?”
  • Núbia Siqueira / Foto: Getty Images 


reportar erro