Rede aleluia
Qual o seu cheiro preferido?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Núbia Siqueira | 27 de Abril de 2021 - 00:11


Qual o seu cheiro preferido?

Leia e medite na mensagem de hoje

Qual o seu cheiro preferido?

Para quem é muito olfativo, o primeiro cheiro de tudo marca e fica guardado na memória.

Isso porque, aromas não são só partículas químicas que entram pelo nariz. Eles têm o poder de penetrar no cérebro e ficar registrado para sempre.

Conheço pessoas que não lembram bem do lugar que foi, ou do rosto com quem ela conversou, mas elas não esquecem do cheiro que sentiram.

O olfato é algo tão forte que pode despertar sentimentos, lembranças, e até ativar a fome. Ora, quem não saliva só de lembrar do cheiro da comida da vovó?

Ou, quem não viaja no tempo, ao se lembrar do quarto que partilhava com os irmãos e do cheiro específico do cobertor de cada um? Do café coado na hora, antes de sair para o colégio?

Como se esquecer do cheiro do afago da mãe, dos seus cabelos ou do seu sussurro aos ouvidos?

Para marcar, o cheiro não precisa estar dentro de um grande acontecimento. Pode ser o aroma sentido naqueles segundos ao pé do fogão, respirando a fumaça do leite fresco fervendo e subindo na vasilha, como uma bala que segue o seu destino.

Veja que o olfato na infância é um paraíso a ser descoberto. Como esquecer o cheiro de terra molhada, de chuva caindo no mato, ou da apaixonada dama-da-noite que embalava as boas conversas com os amigos na porta de casa?

Como esquecer o cheiro que subia dos cadernos novos no início do ano letivo ou das mexericas que, às escondidas, perfumavam a sala de aula?

Mas, nem tudo são flores. Como se esquecer do cheiro dos remédios caseiros, como o boldo, a losna e a carqueja?

Como esquecer o cheiro do primeiro velório que fomos e, tristemente, descobrimos o que era a morte?

Viu como os aromas têm poder de marcar momentos bons e ruins; pessoas difíceis e pessoas especiais?

No balé charmoso das notas olfativas, as árvores desfilam pomposamente, pois, é impossível não guardar o cheiro dos ipês, das gardênias, dos flamboyants, das alfazemas, das jabuticabeiras ou das figueiras.

Ah! Que gostoso o cheiro da copa das mangueiras e da manga aberta nos dentes! (Doce época que subíamos nas árvores! Tenho pena de quem nunca fez isso!)

Que delícia o perfume da goiaba comida debaixo do pé. Ou, da limonada feita com o limão-galego do fundo do quintal. (E colocado na jarra de plástico, claro!)

Que sublimidade tem as notas aromáticas da fruta-do-conde aberta e desnudada na palma da mão, com os seus labirintos de gostosuras.

Não poderia faltar na lista dos cheiros, o amado e odiado, pequi. O ouro do cerrado brasileiro. Seja com arroz, com frango, com carne, ou qualquer outra coisa, reina o pequi. (Quem lê e conhece o fruto, entende o motivo, rs.)

E nessa jornada da nossa existência, há os cheiros que não fizeram parte da nossa infância, porém, jamais serão esquecidos.

Entre os meus queridos estão o cheiro dos rios do norte do Brasil, com belezas tão imensas que a vista não alcança a outra margem.

Tem o cheiro inesquecível da floresta Amazônica, do açaí, do cupuaçu e da castanha fresca ao leite.

Como esquecer o cheiro da tapioca fresquinha do nordeste e da maresia que desprende do mar e nos abraça em forma de brisa?

Por último, contudo os mais especiais: o cheiro do cônjuge, dos filhos, dos tios, dos pais e dos irmãos. Eles são presentes. Eles têm aroma de amor em forma de gente. Eles são dádivas que vêm de cima; vem do Alto para nós.

Deus poderia apenas ter feito o mundo sem muitos detalhes. Mas, Ele caprichou com belas formas, cores e perfumes.

Ora, em gratidão, sejamos para o Senhor, um bom perfume também!

E, embora a vida nos faça feridas e nos deixe com algumas cicatrizes, vamos florir, frutificar e perfumar onde estamos.

Quais os cheiros que você guarda na sua memória?

Desafio a buscar agora na sua mente os aromas que mais te marcaram. Aceita?


Qual o seu cheiro preferido?
  • Núbia Siqueira / Foto: Getty Images 


reportar erro