Rede aleluia
Pessoas mudam
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Núbia Siqueira | 8 de setembro de 2020 - 21:00


Pessoas mudam

Precisamos aprender a perceber mais o que acontece à nossa volta. Leia e entenda

Pessoas mudam

Todo relacionamento precisa de muita atenção e quem não faz tempo para observar os sinais, não percebe que as pessoas mudam ao longo dos anos. Então, relacionamento é algo dinâmico, porque o ser humano transforma-se todos os dias e ninguém permanece o mesmo por toda vida. (Só o nosso Deus é imutável!)

Quem pensa que já conhece tudo sobre o filho, o cônjuge ou o amigo, e dispensa o olhar atento ao que as palavras, os gestos, a ausência, a impaciência e muitos outros sintomas dão, corre o risco de “perder o bonde” nesse relacionamento.

Por não prestar atenção, já ouvi muitas mulheres se questionarem: “Como foi que eu perdi o meu filho para as drogas?” ou “Como foi que o meu casamento acabou?”. Ou seja, erramos, porque, às vezes, não vemos o ÓBVIO.

Saiba que, antes do problema chegar, geralmente, há sinais que se fossem considerados e tratados, muitos males seriam evitados.

Nenhum casamento acaba no dia que se pediu o divórcio, mas quando, pouco a pouco, o outro foi se afastando.

Nenhum amigo deixa de ser amigo de uma hora para a outra, mas, quando, lentamente, se perdeu o interesse de estar juntos, conversar ou deixou de ter saudades.

Este texto não é para você ficar triste, embora, alguns possam ficar, eu sei. Mas, precisamos aprender a perceber mais o que acontece à nossa volta… Precisamos estar, pelo menos, mais conscientes dos sinais, para não sermos tão pegos de surpresa assim, neh?! O “mundo do Bob” pode ser um lugar legal de sonhar, no entanto, a vida é uma realidade para ser vivida sem ilusão. Para a vida, só a FÉ.


Pessoas mudam
  • Núbia Siqueira / Foto: Getty Images 


reportar erro