Rede aleluia
A corrida da vida
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Núbia Siqueira | 29 de Outubro de 2021 - 19:28


A corrida da vida

Leia e medite na mensagem de hoje

A corrida da vida

“ERA então Jefté, o gileadita, homem valoroso, porém filho de uma prostituta;” Juízes 11.1

Na mesma frase que afirma o grande valor de Jefté, também há um “porém” que acentua a sua filiação não muito honrada aos olhos humanos. Ele entrou neste mundo com uma enorme censura, pois era filho de uma prostituta. Rejeitado por todos, inclusive, pelos irmãos “legítimos”, o valoroso guerreiro foi viver em terras distantes entre outros marginalizados. Até que certo dia, a nação de Israel precisou dele para comandar uma batalha contra os seus inimigos. Sem mágoas, ele fez o que precisava fazer e levou o seu povo à vitória.

O mundo dá voltas para aqueles que recebem espinhos na vida e devolvem flores.

Ao invés de sentar e reclamar, essas pessoas abrem o caminho na marra, com esforço e muita fé.

Sim, não nascemos todos com as condições semelhantes. Enquanto uns nascem em famílias abastardas, outros nascem bastardos. Enquanto uns têm facilidade para comer, vestir, estudar ou passear, outros lutam para ter o mínimo para sobreviver.

Enquanto uns recebem amor, outros, desconsideração e violência.

É a história do berço e as suas vantagens e desvantagens.

Conheço pessoas que nasceram em meio a muitas regalias, mas não conseguiram aproveitar nenhum privilégio. Não desenvolveram força, foco e nem o mínimo que é o respeito ao próximo.

Em contrapartida, conheço gente que só recebeu dificuldades desde o seu nascimento, porém, construiu uma bela história, a despeito de tudo.

Na corrida da vida é assim, cada um escolhe o seu caminho e o que quer se tornar.

Portanto, pare de chorar o “leite derramado”!

Pare de se esconder na timidez e nas desculpas!

Acorde para reagir certo hoje. Porque, independentemente das coisas favoráveis ou desfavoráveis, você tem o hoje, você tem a vida.

P.S. Esta menininha aí, nasceu em meio a muitas dificuldades (você não tem ideia do que já passei), mas hoje sou muito mais do que sonhei ser nos meus melhores sonhos. E não falo sobre ter, mas sobre ser.


A corrida da vida
  • Núbia Siqueira / Foto: Reprodução 


reportar erro