Rede aleluia
Univer Vídeo realiza sessão de cinema acessível para surdos em parceria com o EVG Libras 
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de Janeiro de 2021 - 17:20


Univer Vídeo realiza sessão de cinema acessível para surdos em parceria com o EVG Libras 

Cerca de 40 pessoas, entre jovens e adultos que frequentam a Universal e seus familiares, assistiram ao documentário “Ouvindo Everett"

Univer Vídeo realiza sessão de cinema acessível para surdos em parceria com o EVG Libras 

Apesar dos avanços da acessibilidade no Brasil, pessoas com deficiência ainda enfrentam muitas barreiras para alcançar a inclusão. Por exemplo, a adaptação das salas comerciais de cinema aos recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência visual e auditiva. Prevista na Lei Brasileira de Inclusão, o cumprimento da exigência foi adiado mais uma vez, devido à pandemia e aos problemas de faturamento do setor, para 1º de janeiro de 2023.

Os recursos de acessibilidade, que algumas salas já aplicam, como a legendagem, a audiodescrição e Língua Brasileira de Sinais (Libras) são imprescindíveis para a inclusão social de cegos e surdos, garantindo igualdade de oportunidade à população com deficiência. Pensando nisso, neste domingo (24), aconteceu a primeira sessão de cinema gratuita acessível para surdos do Univer Vídeo em parceria com o grupo EVG Libras da Universal.

“Planejamos o evento em conjunto com a direção de conteúdo do Univer. Os surdos têm experiências incríveis quando assistem aos conteúdos de fé. O filme exibido, por exemplo, mostra que Deus não faz acepção de pessoas, Ele pode usar um surdo e fazer uma obra em sua vida. Além disso, eles são visuais. Então, os filmes chamam atenção deles, porque assim conseguem visualizar as ações do Espírito Santo; e temos o objetivo de levar a Salvação para eles”, disse a responsável pelo EVG Libras, Tuane Tércio.

“Ouvindo Everett”

O filme exibido foi o documentário “Ouvindo Everett”, disponível na plataforma Univer Vídeo. A saber, a obra relata a história da família Everett e da fundação da primeira casa e escola para surdos no México, chamada “Rancho Sordo Mudo”.

Aos 5 anos, Luke perdeu 80% da audição. Sua mãe aprendeu a língua de sinais para se comunicar com o filho e compartilhar histórias bíblicas com ele. Mais adiante, seu pai levou a família para o México a fim de ajudar crianças surdas em uma área desprovida de recursos. Uma história inspiradora que faz refletir sobre qual é o chamado de Deus para nossa vida.

O profissional em logística Douglas Miranda Fogaça, de 29 anos, foi um dos convidados que assistiram ao filme nesta sessão especial. Da mesma forma que ele se surpreendeu com a história, também aprendeu um importante ensinamento:

“Antes de assistir ao filme eu fiquei pensando como seria a história e como eu iria conseguir entender. Quando eu vi que tinha a língua de sinais e que, a cada cena, eu conseguia entender mais a história, fiquei muito admirado. Prestei atenção e fiquei pensando nos surdos em todo o mundo que não têm comunicação e como essa família se esforçou por eles no México. Aprendi que eu, mesmo sendo surdo, sou capaz. Não preciso ter vergonha, sou igual a todo mundo. Posso trabalhar, posso estudar, posso ser aquilo que eu quiser ser”, declarou.

Valorização

A exibição aconteceu no auditório do escritório do Univer Vídeo, localizado na zona leste de São Paulo. Devido à pandemia, foram respeitados o distanciamento e a lotação máxima estabelecidos pelas autoridades sanitárias, bem como todos os protocolos de higiene recomendados, por exemplo, o uso obrigatório de máscara de proteção individual. No caso dos tradutores, máscaras inclusivas – com visor transparente na altura dos lábios – para otimizar a comunicação.

A voluntária Pamela Camila, de 26 anos, foi a intérprete que auxiliou a equipe de reportagem do Universal.org com os entrevistados. Além de atuar como intérprete durante as reuniões na Universal, a jovem também é instrutora no curso que ensina a Língua Brasileira de Sinais (Libras) oferecido gratuitamente pelo grupo. De acordo com ela, essas ações mostram aos surdos e seus familiares, a importância e o valor que têm para a sociedade e para Deus.

“Muitos surdos não têm comunicação em sua própria casa, pela falta de conhecimento dos familiares, em não saber Libras. Por isso, ações como essa são muito importantes, mostram o valor que eles têm para nós e para nosso Deus, além de terem acesso à Palavra por meio de sua própria língua de sinais. Além da questão da inclusão, também há a questão de como essa história fascinante narrada no documentário pode despertar a fé deles”, relatou.

Transmitir a Palavra

Cerca de 40 pessoas participaram da sessão, jovens e adultos que frequentam a Universal, bem como seus familiares. Entre eles, a técnica de administrativo Pâmela Lins, de 31 anos. Ela estava muito agradecida pela oportunidade de assistir a um filme com acessibilidade em Libras, o que permitiu que entendesse bem a narrativa e aprendesse com a história da família.

“Eu fiquei muito feliz pela história e trajetória da família Everett. Eu percebi a empatia que eles tiveram com várias crianças surdas que não tinha comunicação, não sabiam a língua de sinais, e assim eles se esforçam para ensinar cada um deles”, contou Pâmela.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil conta com 10 milhões de deficientes auditivos. Além disso, uma pesquisa feita pela própria comunidade surda, em 2010, mostrou que apenas 1% conhecia a Palavra de Deus. Por isso, há quatro anos, o grupo EVG Libras transmite a Palavra e ensina os preceitos bíblicos e a fé prática aos surdos. Os voluntários do grupo atuam durante as reuniões fazendo a tradução simultânea (para quem assiste presencialmente ou pela televisão), oferecem cursos gratuitos de Libras e auxiliam nas ações sociais da Universal.

“Vendo as interpretações (em Libras) no Templo de Salomão, Deus me mostrou a importância daquele trabalho. Procurei o curso e a partir dali o contato e amor pelas almas dos surdos só aumentaram. A ação deste domingo veio para valorizar os surdos, mostrar a eles o quanto são capazes de conquistar o que quiserem e mostrar o amor de Deus por eles”, disse a voluntária Karini e Silva Pinal, de 28 anos, que auxilia nas interpretações e nos atendimentos.

É possível saber mais sobre o EVG Libras por meio do WhatsApp (11) 97302-0319 ou pela página oficial no Instagram.

Univer Vídeo

A saber, a plataforma Univer Vídeo já ultrapassou a marca de 7 mil vídeos, categorizados em cultos, palestras, filmes, séries, documentários, clipes musicais, desenhos e muito mais. Além disso, os conteúdos exclusivos também estão disponíveis em 7 idiomas. Ademais, acesse o site univervideo.com ou baixe o aplicativo.


Univer Vídeo realiza sessão de cinema acessível para surdos em parceria com o EVG Libras 
  • Michele Roza / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro