Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de dezembro de 2019 - 11:05


Uma juventude no crime

Conheça a história de Diogo Antonillo. Ele recorreu à Fé para se livrar da criminalidade

Diogo Antonillo, de 23 anos, conta que teve uma infância estável e que financeiramente nunca lhe faltou nada. Contudo ele não tinha estrutura familiar, o que o levava a pensar que sua vida era um erro. “Meu sonho era ser jogador de futebol, mas em minha casa só existiam brigas, traições e bebidas e eu me via sem apoio”, diz.

drogas, tráfico, crime

Aos 12 anos, Diogo começou a usar drogas, como maconha, lança-perfume e outras drogas sintéticas, e a consumir bebidas alcoólicas. Aos 14 anos, ele conheceu Rafaela do Nascimento Carvalho Antonillo, que é hoje sua esposa, mas, nos dois primeiros anos de namoro, ele escondeu dela seu verdadeiro comportamento.

Certa vez, Diogo foi preso por ter cometido um assalto e Rafaela acabou descobrindo. Ela já frequentava a Universal. Ele foi encaminhado à Fundação Casa e ficou detido quase dois meses. Apesar de participar de algumas reuniões e aconselhamentos realizados por voluntários da Universal Socioeducativo (USE) dentro do local, ele não demonstrava interesse de mudar ou de aprender com seus erros.

Quando ganhou direito à liberdade, ele conta que se tornou pior do que era antes: “virei gerente do tráfico e vendia droga na porta de casa.

Me envolvi com quadrilhas de roubos de casas e mexia com drogas sintéticas.”

Aos 18 anos, Diogo passou a sofrer de síndrome do pânico. Naquela época, ele recebia convites da namorada para ir às reuniões da Universal, mas nunca os aceitava. “Não dormia à noite e andava pelas ruas de madrugada. Então, lembrei do trabalho do Socioeducativo quando eu ainda estava preso”, comenta.

A saída
Diogo ressalta que tinha preconceito em relação à Universal e chamava o Bispo Edir Macedo de ladrão. No entanto seus pensamentos foram mudando. “Quando cheguei no fundo do poço, precisei deixar meu orgulho e meu preconceito de lado e pedi ajuda para a Rafaela.

Ela me levou à Igreja e fui me libertando dos vícios e da criminalidade.”

drogas, violência, saída

Aos poucos, ele foi se transformando em um novo homem. Pouco depois, casou-se com Rafaela, com quem teve um filho, Luís Miguel de Carvalho Antonillo, que hoje tem 4 anos, e abriu sua própria empresa.

Contudo ele ansiava pela presença do Espírito Santo. “Faltava algo dentro de mim: o Espírito Santo. Então, comecei a buscar e a me envolver ainda mais com tudo que se relacionava a Deus.”

Ele recebeu o Espírito Santo e hoje desfruta uma vida repleta de paz. “Durmo tranquilo, tenho uma família e um casamento abençoados e ajudo outros jovem assim como fui ajudado pela Universal Socioeducativo”, conclui.


  • Maiara Máximo / Fotos: Cedidas 


reportar erro