Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 5 de novembro de 2018 - 19:21


Tensão no trabalho leva policiais a pensar em suicídio

Polícia militar é a profissão mais estressante do mundo, segundo site americano Career Cast.

22% dos policiais militares já pensaram em suicídio. Pressionados pelo papel institucional, estresse, incompreensão e crítica negativa por parte da sociedade, policiais militares sofrem hoje de um mal silencioso: a depressão. Para prestar apoio a homens e mulheres que, diariamente, colocam a vida em risco em favor da população, o grupo Universal nas Forças Policiais (UFP) tem oferecido palestras e atendimento social dentro das corporações em todo o país.

O UFP tem o objetivo de atender membros das forças de segurança por meio de palestras preventivas sobre corrupção, ética, drogas, estrutura familiar, casamento e educação dos filhos.

O Pastor Roni Negreiros, Major Capelão da Polícia Militar do estado do Maranhão, está à frente do trabalho do UFP e explica as consequências que as pressões sofridas nessa profissão podem causar.

“Há muitos anos trabalhei na Polícia Militar e na Tropa de Choque de São Paulo. As pessoas que atuam nessa área frequentemente são afetadas emocionalmente de maneira muito impactante e, se os problemas não forem cuidados devidamente, podem gerar inúmeros prejuízos para sua vida profissional, pessoal e social”. 

O Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (GEPeSP) divulgou que 22% dos policiais militares já cogitaram tirar a própria vida. As maiores causas estão relacionadas a problemas familiares e profissionais. Os dados publicados ainda indicam que 43,8% daqueles que tentaram suicídio, não contaram a ninguém sobre esse impulso.

De acordo com a socióloga e pesquisadora do GEPeSP, Fernanda Cruz, a crise institucional da corporação, associada ao estresse e à violência diária, deixam os trabalhadores mais vulneráveis a atos extremos. “Ele se sente dando a vida por alguém que não o reconhece. O policial se expõe ao perigo extremo e não vê retorno”

Um dos militares ajudado pelo grupo é o sargento da Polícia Militar do Maranhão, Jorge Luís da Costa Correia, que participou das atividades oferecidas pelo grupo UFP local.

Segundo o Pastor Roni, ele foi acolhido em um momento muito difícil, pois teve a vida familiar destruída por uma separação, levando o sargento a um quadro de desequilíbrio emocional e desmotivação no seu trabalho. Hoje, a esposa e ele auxiliam como voluntários no trabalho da UFP.


reportar erro