Rede aleluia
Telas causam problemas em longo prazo às crianças
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de Abril de 2021 - 18:14


Telas causam problemas em longo prazo às crianças

Consumo tem aumentado. E problemas também

Telas causam problemas em longo prazo às crianças

Crianças que têm mais de uma hora diária de acesso a telas desenvolvem problemas de comportamento e emocionais. A conclusão foi obtida por um estudo que monitorou 699 crianças durante cinco anos.

A pesquisa foi conduzido pela cientista social Janette Niiranen, do Instituto Finlandês de Saúde e Bem-estar em Helsinque (Finlândia). De acordo com os resultados, entre 2013 e 2017 aumentou mais de 300% o tempo que crianças com até cinco anos de idade passam utilizando televisores, computadores, smartphones e tablets.

“Nossos resultados mostram que crianças de 5 anos passam muito mais tempo na mídia eletrônica do que o recomendado pelos profissionais”, revela Niiranen. “Embora os padrões de uso de mídia eletrônica por crianças possam não parecer problemáticos quando se considera o uso diário, eles apresentam riscos a longo prazo”.

Niiranen aponta que, aos 18 meses de idade, crianças passam, em média, 32 minutos por dia assistindo à televisão. Aos cinco anos de idade, porém, essa quantidade aumenta para 114 minutos.

O cientista relata ainda que 25% das crianças de um ano e meio de idade passam mais de uma hora por dia em frente às telas. Mas, aos cinco anos, mais de 95% das crianças fazem o mesmo.

A soma desse tempo todo gasto em telas, desde os primeiros meses de vida até a idade escolar, eleva o risco de hiperatividade. Ademais, aumenta o risco de dificuldades de atenção e concentração, impulsividade e outros problemas emocionais e comportamentais.

Esses dispositivos estão reduzindo o tempo que as crianças passam lendo, brincando e interagindo com a família e outras crianças. Assim, têm dificuldade não apenas no comportamento, como no aprendizado e até mesmo na conexão com outras crianças.

É o que eles querem!

Infelizmente, o resultado de cada vez mais estudos demonstrando os prejuízos causados às crianças por telas não impede que o conteúdo direcionado ao público infantil siga crescendo. São filmes, desenhos, jogos, músicas e incontáveis outras maneiras de prender os pequenos em frente às telas.

O Pastor Paulo Cezar explica que essa é a maneira que o mundo encontra hoje em dia de dominar o tempo das pessoas: conteúdos audiovisuais.

“Hoje em dia, nós temos jovens que passam o dia inteiro vendo vídeos, seja no Youtube, seja no TikTok, seja em outros canais. Muito cuidado. A pessoa vê um vídeo e daqui a pouco ela está vendo outro e outro. Passam-se horas do seu dia consumindo esses vídeos. Vídeos que, muitos deles, não levam a nada, não ensinam nada, não agregam valor nenhum”.

Esse conteúdo é criado “por mentes de pessoas que querem o máximo possível ter a sua atenção, o seu tempo”.

Mas o tempo das crianças deve ser destinado a outras coisas: brincadeiras, aprendizados, relacionamento com as pessoas ao seu redor.

Por isso, pais devem estar atentos ao tempo que seus filhos gastam em frente às telas. Talvez não seja fácil mudar o comportamento já adquirido, mas é importante. Isso porque excesso de tela pode fazer com que crianças apresentem até mesmo sinais de autismo. Clique aqui e saiba mais sobre o assunto.


Telas causam problemas em longo prazo às crianças
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro