Rede aleluia

Notícias | 9 de outubro de 2019 - 16:26


Sem ter o que comer, moradores de aldeia de Moçambique recebem doações para sobreviver

País africano é o 6º mais pobre do mundo, com mais da metade da população vivendo na miséria.

No último sábado (5), voluntários do Unisocial – EVG, grupo que presta assistência a comunidades carentes, visitaram a aldeia de Mafavuka, localizada a 75km da capital de Moçambique, para oferecer cestas básicas às famílias que estão vivendo em situação de vulnerabilidade.

Apenas 18% da população pobre recebe o subsídio social básico, uma ajuda distribuída pelo Estado, explicou o diretor nacional de Assistência Social de Moçambique, Moisés Comiche.

Segundo o responsável pelo programa social no país, Paulo Marques, além dos alimentos que as 250 famílias receberam, o evento proporcionou a eles um momento de lazer e de cuidados com a beleza. “Montamos tendas e oferecemos serviços de corte de cabelo, manicure, e tranças, que é um dos serviços de beleza que as mulheres daqui mais gostam”, explicou.

As crianças também tiveram seu espaço no evento. Além de brincadeiras, os voluntários ofereceram lanches e doces a todas elas.

Paulo afirma que o Unisocial presta assistência à comunidade constantemente. “Essa foi a terceira vez que visitamos a aldeia, e vamos continuar atentos para ajudá-los nas maiores necessidades”, finalizou.

Pobreza e desemprego

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), Moçambique é um dos países mais pobres do mundo, ocupando a 6º posição. Com cerca de 30 milhões de habitantes, mais da metade vive abaixo da linha da pobreza e 25% da população está desempregada.

Unisocial – ajudando as pessoas

O Unisocial-EVG tem por objetivo a melhoria das condições sociais da população carente. O grupo leva a bairros de todo Brasil e no exterior, serviços gratuitos prestados por profissionais voluntários, como advogados, médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, massagistas, cabeleireiros, manicures e maquiadores. Roupas e cestas básicas também são doadas.

Em 2018, cerca de 1 milhão de pessoas foram beneficiadas pelo programa social.


  • Unicom / Fotos: Cedidas 


reportar erro