Rede aleluia
Projeto voltado para jovens ajuda a prevenir o suicídio
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 4 de setembro de 2018 - 11:47


Projeto voltado para jovens ajuda a prevenir o suicídio

A cada 40 segundos uma pessoa se mata em todo o mundo

Projeto voltado para jovens ajuda a prevenir o suicídio

O que não faltam são dados alarmantes em relação ao suicídio que já é uma das três principais causas de morte nos Estados Unidos, ao lado da doença de Alzheimer e overdoses de drogas. Segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, em média, a cada 100 mil americanos 16 decidem pôr fim às suas vidas todos os anos.
No Brasil, em média, 32 pessoas conseguem se matar diariamente, fazendo com que o problema seja a segunda maior causa de morte em jovens entre 15 e 29 anos e a principal entre mulheres de 15 a 19 anos. No mundo, o número chega a mais de 800 mil ou uma morte a cada 40 segundos.
As causas são variadas: problemas financeiros, sentimentais, doenças como a depressão e o envolvimento com perigosos jogos virtuais que estimulam a prática.
Adolescência: uma fase de transição
A psicóloga Eliane Puk explica que a adolescência é uma fase de transição para a vida adulta e, nela, o jovem passa a buscar sua própria identidade.
“O adolescente adora um desafio e precisa fazer parte de um grupo para sentir-se integrado. Ele busca seus valores e sua integridade, aumentando sua necessidade de sentir-se aceito”, afirma ela.
A psicóloga também acredita que o jovem que apresenta indícios de depressão e de pensamentos suicidas deve ser cuidado individualmente. “O que leva alguém a tentar o suicídio é um sofrimento intenso, um vazio existencial, a perda do sentido da vida, por isso, não se pode generalizar, afinal cada indivíduo é único e deve ser percebido e acolhido”, esclareceu.
Existe uma saída
Marcello Brayner, coordenador do grupo que promove ação social e espiritual com os jovens,  Força Jovem Universal (FJU), afirma que, por não saber lidar com os problemas, muitos não enxergam outra alternativa, senão o suicídio. “Podemos mudar esse cenário por meio da conscientização, do atendimento e apoio a esses jovens. A ideia é fazer com que eles entendam que vale a pena viver”, esclarece ele.
A jovem Marrie Rossetto (foto abaixo), de 19 anos, moradora da cidade de Santos, litoral sul de São Paulo, conta que, embora estivesse rodeada de amigos e familiares, não se sentia realizada.
“Dos 12 aos 14 anos eu pensava em suicídio. Ninguém sabia o que acontecia comigo. Eu me cortava escondida. Comecei a sofrer com bulimia (transtorno alimentar) e complexos de inferioridade”, conta a jovem que, além de se cortar, acreditava que pedir ajuda não resolveria a sua situação.
“Eu mantinha uma aparência de ‘perfeitinha’, por isso, não pedia ajuda; pensava que se descobrissem o que eu passava iriam me julgar”, acrescentou.
Após ser ajudada pelo projeto, Marrie mudou a forma de pensar e hoje não pensa mais na morte, pelo contrário, quer viver e ajudar quem precisa.
O grupo não para. Semanalmente realiza visitas e palestras em escolas e faculdades, caminhadas contra o suicídio, atendimentos por meio das redes sociais e presenciais na Universal, campanhas como o “Saiba Dizer Não” e o projeto Help, formado por jovens que, um dia, também tentaram o suicídio, mas hoje – livres desse pensamento – podem ajudar outras pessoas.
Caso alguma instituição queira a visita do projeto, basta realizar uma solicitação com o coordenador do FJU mais próxima ou entrar em contato pelas redes sociais e o encaminhamento será feito para o Help de sua cidade.
Acesse as páginas do grupo no Instagram, Facebook e Twitter.


Projeto voltado para jovens ajuda a prevenir o suicídio
  • Rafaela Dias/ Fotos: Cedidas 


reportar erro