Rede aleluia
“O pecado tinha se tornado meu melhor amigo”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Janeiro de 2023 - 00:05


“O pecado tinha se tornado meu melhor amigo”

Saiba como Victor Santos deixou para trás o histórico de promiscuidade e vazio para viver uma nova vida

“O pecado tinha se tornado meu melhor amigo”

O escritor Victor Santos de Carvalho, de 30 anos, tem muito o que escrever sobre sua própria trajetória. Nascido e criado em Araruama, no Rio de Janeiro, ele conta que durante parte da infância enfrentou dificuldades em diferentes aspectos. “Nasci antes dos meus pais conhecerem o poder transformador da Fé em Deus e presenciei muitas brigas entre eles. Foi uma infância bem difícil e, na época, a nossa condição financeira era precária.”

No início da adolescência de Victor, seus pais tiveram suas vidas mudadas ao conhecerem a Fé transformadora quando passaram a frequentar a Universal. Porém, como a Fé não está no DNA e requer uma tomada de decisão, Victor estava livre para fazer suas escolhas. “Frequentei a Igreja por um tempo, mas nunca me firmava. Eu era uma pessoa deprimida, sem perspectivas e sentia um vazio muito grande. Me tornei agressivo e sempre me envolvia em confusões. Eu sentia raiva quando me chamavam para ir à Igreja, até que me afastei de vez, mas meus pais continuaram me apresentando em orações”, conta.

Dessa forma, ele seguiu novos caminhos. “Por influência de alguns ‘amigos’, experimentei bebidas alcoólicas e em pouco tempo estava viciado, até que passei a virar noites em boates e casas de prostituição. Eu me vestia de mulher nos blocos de carnaval e comecei a usar anabolizantes. Me envolvi com mulheres casadas e minha alegria era fazer com que elas cometessem adultério, pois isso era como um prêmio para mim. O pecado tinha se tornado meu melhor amigo”, diz.

Por causa do envolvimento com mulheres comprometidas, ele lidava com muitas confusões e revela que certa vez quase pagou com a própria vida, mas nem o livramento da morte o fez pensar nas consequências de suas ações. “Me tornei uma pessoa insaciável, o pecado me atraía. Mas nada do que eu fazia preenchia o vazio que existia dentro de mim. Não pensei em suicídio, mas, por causa do vazio e da angústia, por vezes desejei morrer.”

Em 2016, ele recebeu o convite de uma jovem para participar de uma reunião na Universal e, cheio de más intenções, aceitou. “Me fiz de certinho só para tentar ficar com ela. Aceitei o convite, sentei no último banco e não conseguia nem orar, pois estava com vergonha de Deus. Frequentando mais vezes a Igreja, percebi que, se eu morresse naquele estado, iria direto para o inferno. Foi quando desejei mudar”, recorda.

Ele conta que seu processo de libertação não foi fácil, pois se sentia preso ao pecado. Por fim, durante uma oração, ele se entregou a Deus completamente, se batizou nas águas e se agarrou à oportunidade de mudança. “Eu queria de todas as formas largar a vida antiga e me tornar uma nova pessoa. Eu ansiava receber o Espírito Santo, porque sem Ele era impossível ter uma nova vida. Eu O busquei com todas as minhas forças e, se antes eu colocava força para o diabo, a partir daquele momento eu queria fazer muito mais para Deus. Eu me entreguei sem reservas, conquistei a maior preciosidade da minha vida ao ser batizado com o Espírito Santo e tudo mudou”, destaca ele, que se livrou dos vícios e do vazio.

Desde então, ele diz que é feliz e tem prazer em contar sua história para quem está em situação semelhante à que ele viveu. “O homem agressivo e egoísta deu lugar à pessoa que, se possível, dá a própria vida para salvar outra pessoa. O Espírito Santo é meu maior tesouro. O Victor que outrora era amigo do pecado, hoje, com o Espírito Santo, se tornou filho do Altíssimo”, conclui.


“O pecado tinha se tornado meu melhor amigo”
  • Kelly Lopes / Fotos: Mônica Quintanilha 


reportar erro