Rede aleluia
Nem tudo o que parece é
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de dezembro de 2019 - 00:05


Nem tudo o que parece é

Muitos usuários de redes sociais fazem postagens que retratam mentiras sobre suas vidas apenas para ganhar likes. O que Deus pensa disso?

Nem tudo o que parece é

Nas redes sociais, dificilmente vemos fotos e vídeos de casais brigando, de pessoas chorando ou contando seus problemas. Na verdade, o mais comum é encontrar postagens que demonstram felicidade, bem-estar, sucesso e riqueza. Tudo em prol de conquistar notoriedade no mundo digital.

Muitas dessas postagens de felicidade escondem uma realidade bem diferente. Levando isso em conta, podemos concluir que nem tudo o que parece realmente é, não é mesmo? Para a psicóloga Amanda Bastos, as pessoas postam algo diferente do que vivem para se sentirem queridas e admiradas. “Existe tanto a busca por aceitação quanto pela construção de identidade. E, assim, antes de aproveitar a vida real, pensa-se na vida virtual. Com isso, às vezes, vale tudo para expor uma realidade irreal”, constata.

Segundo Amanda, a necessidade exacerbada de obter likes nas redes sociais esconde, na verdade, a insegurança do indivíduo. “Quando nos percebemos inseguros, desamparados ou com a autoestima baixa tendemos a buscar aprovação, amparo e o asseguramento nos outros. Os likes são um reforço positivo instantâneo. que gera reafirmação e autoafirmação. Porém a duração deles é curta, se desfaz rapidamente. Então, se torna necessário fazer algo novo para conseguir mais likes e mais reforço positivo, o que gera um círculo vicioso.”

Ocorre que para manter uma mentira são necessárias mais mentiras. Há também o perigo de a pessoa viver fazendo comparações. “Ao ver fotos e vídeos de outros perfis ela começa a fazer comparações injustas e estas a levam a erros de pensamento como ‘se ela viaja três vezes por ano, eu deveria viajar também’. Esse pensamento gera emoções desagradáveis, como inveja, tristeza, ansiedade, angústia, raiva, medo, autocomiseração, entre outras, e instabilidade”, diz Amanda.

Inveja e solidão
Segundo o pesquisador Rafael Barrio, do Instituto de Física da Universidade Nacional Autônoma do México, mentiras são comumente produzidas nas redes sociais e são um elemento substancial para manter a virtualidade das relações entre as pessoas.

Outra pesquisa, feita pelo jornal norte-americano American Journal of Preventive Medicine em parceria com a Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, mostra que quem usa constantemente as redes sociais tem maior probabilidade de desenvolver solidão e inveja. E tem mais: um estudo da Kaspersky Lab, empresa russa produtora de softwares de segurança para a internet, afirma que uma em cada dez pessoas distorce o conteúdo que posta nos sites para se sentir melhor.

Há uma explicação para que sentimentos negativos se desenvolvam mais facilmente na atualidade. Antigamente, para se obter notícias de alguém distante era muito demorado. Só se sabia da vida de alguém por meio de carta ou de uma ligação telefônica. Hoje em dia, a informação chega de modo quase imediato e, com ela, também surgem as cobranças e comparações sociais.

“A máxima de que a grama do vizinho é sempre mais verde é muito antiga. Até o início dos anos 2000, a admiração e a busca por pertencimento eram feitas com base em artistas e celebridades que apareciam na TV, mas elas ainda eram mediadas e separadas pela questão do status social, que diferenciava as celebridades das pessoas comuns. Com as redes sociais, as celebridades passaram a ser pessoas comuns e a cobrança e a comparação aumentaram. A blogueirinha se tornou digital influencer. Logo, todos podemos ser famosos, mesmo que só por alguns minutos”, observa Amanda.

Aprovação de quem?
A pergunta que fica é: por que mostrar uma vida que você não tem? O objetivo é agradar a quem? Deus nos ensina em Gálatas 1.10: “Porventura, procuro eu agora o louvor dos homens ou aprovação de Deus? Ou estou tentando ser apenas agradável às pessoas? Se ainda estivesse buscando agradar a homens, não seria servo de Cristo!”

Quando se conhece a Deus o vazio interior é preenchido e sua dependência é exclusivamente dEle. Por isso, se você reconhece que suas postagens nas redes sociais servem apenas para ver quem “curte” sua publicação ou para se sentir melhor, pare agora mesmo.

Enquanto você depender da aprovação dos homens colherá sofrimento e frustração. Toda aprovação deve vir do Alto. Pense: “O que Deus acha disso? O que Ele quer que eu faça?”

Entenda que nem tudo que você vive precisa ser compartilhado – nem no mundo virtual nem no real. É preciso sempre dosar a exposição da sua vida e avaliar o que está por trás de cada publicação.


Nem tudo o que parece é
  • Ana Carolina Cury / Fotos: Getty Images 


reportar erro