Rede aleluia
Manifestação pacífica pelo fim da perseguição à Universal em Angola
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de outubro de 2020 - 13:27


Manifestação pacífica pelo fim da perseguição à Universal em Angola

Cerca de 6 mil pessoas caminharam pela capital Luanda

Manifestação pacífica pelo fim da perseguição à Universal em Angola

Há quase seis meses a Universal em Angola sofre uma dura perseguição religiosa. Tudo começou em junho, quando um grupo de ex-pastores, expulsos por graves desvios de conduta, atacou e invadiu diversos templos da Igreja no país africano. Os rebeldes agrediram pastores, suas esposas e funcionários.

O grupo se autointitula “Comissão da Reforma” e, desde então, vem praticando uma série de atos criminosos de agressão física, psicológica, ameaças, atos xenofóbicos (de ódio contra estrangeiros) e difamações.

Desde então, todas as igrejas Universal do território estão fechadas. Uma série de pessoas, incluindo políticos brasileiros, manifestaram repúdio e preocupação em relação às agressões. Inclusive, o Presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta ao Presidente João Lourenço, pedindo ações em prol da liberdade religiosa.

Clamor a céu aberto

Mas a fé ousada dos membros e obreiros da Universal não os deixaria ficar parados diante desta situação. Por isso, no último domingo (11), cerca de 6 mil pessoas caminharam por Luanda, capital do país, em um protesto pacífico pelo fim dessa injustiça.

A marcha teve início no porto da cidade e terminou na Baía de Luanda, local turístico e muito conhecido. Ali, todos dobraram os joelhos e clamaram ao Altíssimo pela resposta.

Assista no vídeo abaixo como foi este momento:

A Record Tv África conversou com participantes da manifestação.

Confira no vídeo abaixo:


Manifestação pacífica pelo fim da perseguição à Universal em Angola
  • Rafaella Rizzo / Fotos: Cedidas 


reportar erro