Rede aleluia
Imprensa ataca a Universal por recomendar a leitura da Bíblia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de Setembro de 2022 - 11:01


Imprensa ataca a Universal por recomendar a leitura da Bíblia

Igreja realiza Jejum de Daniel há 11 anos; mídia vê “motivação eleitoral” na prática

Imprensa ataca a Universal por recomendar a leitura da Bíblia

Na falta de fatos negativos para alimentar a onda de ataques que vem promovendo contra a Igreja Universal do Reino de Deus nas últimas semanas, a Imprensa os inventa. A mentira da vez, propagada por veículos como “O Globo”, Estadão e Veja, é que a Universal estaria promovendo o Jejum de Daniel neste mês de agosto, em razão do período eleitoral.

É de se perguntar se é apenas ignorância que move esse tipo de jornalismo, ou é a má-fé.

De início, bastaria que esses jornalistas observassem que o próprio intervalo definido para este Jejum — de 28/8 até amanhã (18/9), quando ainda estaremos a duas semanas das eleições, e que será o momento mais intenso da campanha eleitoral. Apenas este dado já derruba a teoria conspiratória de que a Universal pretendia evitar que as pessoas tivessem acesso a informações sobre candidaturas.

A Universal realiza o Jejum de Daniel desde 2011, sempre com intervalos de alguns meses. Em 2021, por exemplo, a campanha foi realizada três vezes no mesmo ano — e não estávamos em período eleitoral.

Este Jejum é baseado na Bíblia, no propósito descrito no capítulo 10 do livro de Daniel. Ele decidiu jejuar por 21 dias para buscar o entendimento e a compreensão da vontade de Deus.

Como todas as práticas adotadas na Universal, o Jejum de Daniel é uma sugestão para quem busca o batismo com o Espírito Santo e o aperfeiçoamento em sua relação com Deus. Para que essa aproximação seja realizada e o foco mantido, é recomendado que os interessados se abstenham de informações seculares e entretenimento, utilizando seu tempo para consumir conteúdo que realmente seja edificante, e a leitura e meditação na Palavra de Deus.

Mas para essa mídia maledicente, preguiçosa e desinformada sempre haverá uma segunda intenção em tudo que os evangélicos fazem. Em anos anteriores, jornalistas já haviam insinuado que as datas do Jejum de Daniel definidas pela Universal foram estipuladas com o propósito de prejudicar eventos, como a Copa do Mundo.

Para o próximo Jejum, o que inventarão? Qual será a próxima mentira criada contra a Universal?

UNIcom — Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Universal


Imprensa ataca a Universal por recomendar a leitura da Bíblia
  • Unicom 


reportar erro