Rede aleluia
Falta muito para o fim dos tempos?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de Maio de 2021 - 15:00


Falta muito para o fim dos tempos?

Klaus Schwab, o Fórum Econômico Mundial e o "The Great Reset"

Falta muito para o fim dos tempos?

Não é novidade que o mundo está potencialmente preparado para dar início ao período descrito em Apocalipse.

Até mesmo em meio aos grandes empresários, políticos e acadêmicos, ouvimos que é necessário a reconstrução do mundo que conhecemos. O sociólogo Zygmunt Bauman, por exemplo, já falecido, não escondia o seu desejo por um governo mundial único.

Igualmente, a pandemia da COVID-19 surgiu como um pretexto para um balão de ensaio desse novo sistema de governo. Para o Fórum Econômico Mundial (FEM), o atual cenário exige uma nova maneira de se repensar a economia global. Em um plano ainda meio obscuro, a organização optou por chamar isso de “The Great Reset”.

É possível notar que para Klaus Schwab, fundador do FEM, essa mudança passa, sobretudo, por uma revolução tecnológica. “O que imaginamos é um tipo de fusão do mundo físico, digital e biológico”, disse, durante uma entrevista à Radio Télévision Suisse (RTS), em 2016, após explicar sobre a implantação de um chip no cérebro ou na pele que estabeleceria uma comunicação entre o corpo e o mundo digital. E a chave para tudo isso está na inteligência artificial, que mais do que nunca ganha forças nos tempos modernos.

Em seu livro “COVID-19: The Great Reset”, publicado em julho do ano passado, Schwab enfatiza que o mundo não voltaria ao normal, quando a COVID-19 diminuísse.

Cenário montado

O fato é que o cenário sociológico está montado: câmeras com inteligência artificial monitoram a população na China, a internet 5G aumentará a velocidade de comunicação entre os meios digitais como nunca antes visto, governos exigiram o confinamento da população em casa (sob pena de punições para quem descumprisse), o dinheiro físico tende a ser substituído por criptomoedas. E iguais a esses há muitos outros fatores que apontam para o cenário descrito em Apocalipse, sobretudo, para o capítulo 13, que aborda sobre a “marca da besta”. É a primeira vez que a humanidade está plenamente pronta para receber esta plataforma do anticristo.

Há menos de um mês, Taiwan disse que a China está preparando um ataque militar e reforçou que em caso positivo irá se defender. A China reivindica a unificação do território de Taiwan, ainda que pela força. O ministro taiwanês de Negócios Estrangeiros afirmou que se Taiwan for dominada pela China haverá consequências na geopolítica. Vale lembrar que o Senhor Jesus já havia nos alertado sobre as guerras e os rumores de guerras (Mateus 24:6), além disso sabemos que o cavaleiro do cavalo vermelho vem para trazer guerras e destruição durante a Grande Tribulação (Apocalipse 6:3-4).

“Guerras sempre existiram, mas nada será como esse período após abertura do segundo selo. Todas as guerras que este planeta já viu foram um ‘ensaio’ para esse período”, explica o Bispo Renato Cardoso, no livro “A terra vai pegar fogo“.

Desse modo, é possível notar que os sinais para a chegada da Grande Tribulação são cada vez mais evidentes e estão todos por aí.

Todos os domingos, às 18 horas, no Templo de Salomão, acontece o Estudo do Apocalipse, em que o Bispo Júlio Freitas esclarece em detalhes o tema. Participe.

Você também pode acompanhar pela plataforma Univer Vídeo.


Falta muito para o fim dos tempos?
  • Da Redação / Foto: OECD/Hervé Cortinat/Flickr (CC) 


reportar erro