Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de fevereiro de 2020 - 00:05


“Eu tornava a vida de todos um inferno”

Verônica Pereira sofreu com abusos, vícios e pensamentos suicidas. Saiba como ela conseguiu mudar sua história

Na infância, Verônica do Nascimento Pereira, de 24 anos, sofreu abuso sexual durante três anos. Isso fez com que ela se tornasse uma adolescente insegura e cheia de complexos. “Os abusos foram dos 7 aos 10 anos e isso gerou em mim muitos medos, dúvidas, culpas e angústias”, conta.

Em busca de algo que a ajudasse a superar seus traumas, ela recorreu às drogas. “Conheci a maconha, o lança-perfume e as bebidas alcoólicas com 15 anos. Tentei experimentar sozinha, mas não consegui, então pedi para meus ‘amigos’ da escola me ensinarem a consumi-los”, explica.

Os vícios pioraram quando ela iniciou um relacionamento abusivo. “As drogas e o álcool se tornaram ainda mais presentes, pois, além do meu namorado consumi-los também, eu precisava daquilo para ter momentos de paz depois das agressões verbais e físicas a que ele me submetia para me expor na frente dos amigos”, relembra.

Os sentimentos de raiva e indignação a acompanhavam e ela não conseguia conviver em paz com sua família. “Dentro de casa era um tormento. Havia muitas brigas com meus familiares. Um dos meus irmãos até saiu de casa por causa de mim. Eu tornava a vida de todos um inferno”, comenta.

Depois de sofrer muitas humilhações, Verônica decidiu terminar aquele relacionamento. Porém seus problemas internos só pioravam.

“Passei a ter muitas crises de síndrome do pânico e fui diagnosticada pelos médicos com depressão. Cheguei a me mutilar e feria minhas pernas, por conta das angústias e da falta de esperança.”

A rotina da jovem era marcada por perturbações espirituais. “Eu tinha medo e não queria mais viver. Então começava a chorar, a gritar e a tremer. Também não conseguia dormir, tinha muitos pensamentos ruins e a ansiedade me consumia. Ouvia vozes e via muitos vultos e pessoas dentro de casa à noite que desapareciam na minha frente.”

Com tantos problemas, Verônica passou a acreditar que a solução seria morrer. “Sempre tinha pensamentos de morte. Chegava a pegar remédios e facas, mas não tinha coragem de me matar, mas um dia tentei de fato o suicídio. Minha mãe chegou no exato momento e não permitiu que eu concretizasse o ato”, lembra.

Naquele dia, ela aceitou ir com sua mãe a uma Universal e buscar ajuda. “Chegando lá, fui atendida por um pastor e passei a obedecer tudo o que me foi ensinado. Coloquei dentro de mim que se Deus existisse mesmo, Ele teria que aparecer na minha vida e mudá-la. Me entreguei a Jesus, me batizei nas águas e em um mês minha vida já era outra. A paz habitava em mim.”

Hoje, Verônica afirma que é outra pessoa. Deus a ajudou a vencer seus complexos, medos e angústias. “O que Deus fez na minha vida foi um milagre, pois aos olhos humanos eu não tinha mais jeito. Ele me deu uma nova chance, um recomeço”, finaliza.


  • Camila Teodoro / Fotos: Cedidas e Mídia FJU 


reportar erro