Rede aleluia
“Eu tentei me matar. procurei remédios em minha casa e tomei um vidro inteiro de dipirona”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de Novembro de 2021 - 00:05


“Eu tentei me matar. procurei remédios em minha casa e tomei um vidro inteiro de dipirona”

Flávia se afastou de Deus e acreditou que era livre, mas ficou presa em depressão, raiva e até desejou a morte de seus filhos

“Eu tentei me matar. procurei remédios em minha casa e tomei um vidro inteiro de dipirona”

Flávia Regina Duarte Galvão, autônoma de 46 anos, chegou à Universal muito jovem. Ali ela conheceu a Palavra de Deus, se batizou nas águas e passou a evangelizar toda semana. Ela sentia muito prazer em ganhar almas para o Senhor Jesus, nasceu nela o desejo de servir a Deus e, pouco tempo depois, ela foi levantada a obreira. “Eu fazia a Obra, mas não tinha nascido de Deus. Eu fazia tudo no automático e acabei esfriando na Fé”, diz.

Liberdade?
Depois de enfrentar problemas de saúde e no casamento, Flávia se afastou definitivamente de Deus. A princípio, ela se sentiu aliviada: “pensei que estava livre, achava que ninguém mandava em mim e que, a partir daquele dia, eu poderia fazer o que quisesse e que não iriam me julgar por isso”, relata.

Por fazer o que queria, ela perdeu o casamento abençoado que tinha construído e desenvolveu depressão. Ela conta que era mentirosa, queria “passar a perna nos outros” e tinha raiva do esposo. Ela tentou se matar diversas vezes. Certa vez, discutiu gravemente com o marido, que a deixou sozinha em casa. Ela, então, tentou novamente o suicídio, pois acreditava que teria alívio após a morte. “Eu tentei me matar. Procurei remédios em minha casa e tomei um vidro inteiro de dipirona. Passei muito mal, tive febre, pensei que teria um infarto e acabei desmaiando no sofá. Meu marido chegou em casa e me socorreu”, conta.

Finalmente liberta
Ao notar que não tinha mais motivos para viver e que pensava em matar até mesmo seus filhos, Flávia aceitou voltar à Universal. “Eu meditava na Palavra de Deus e comecei a colocá-La em prática. Isso me deu vida, paz, tranquilidade e transformou tudo em mim. Hoje tenho amor pela minha família, me libertei da depressão e meu casamento foi restaurado”, finaliza.


“Eu tentei me matar. procurei remédios em minha casa e tomei um vidro inteiro de dipirona”
  • Kaline Tascin / Foto: Reprodução 


reportar erro