Rede aleluia
Escola pode impor ideologia de gênero?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de Novembro de 2020 - 18:08


Escola pode impor ideologia de gênero?

Decisão de colégio carioca gera reações adversas na sociedade

Escola pode impor ideologia de gênero?

Uma circular do colégio carioca Liceu Franco-Brasileiro chamou atenção tanto da comunidade escolar quanto dos pais esta semana. Trata-se de uma recomendação para que se adote, nos ambientes formais e informais da escola, a “neutralização de gênero gramatical”.

ideologia de genero escolasNa prática, isso significa que palavras como “meninos” e “meninas” se tornam “menines”. Esse emprego do “e” no lugar dos artigos “o” e “a”, de acordo com a instituição, serviriam de maneira inclusiva e respeitosa.

“A neutralização de gênero gramatical consiste em um conjunto de operações linguísticas voltadas tanto ao enfrentamento do machismo e do sexismo no discurso quanto à inclusão de pessoas não identificadas com o sistema binário de gênero”, descreve a circular enviada aos pais dos alunos (foto ao lado). “Permitindo aos docentes e estudantes que manifestem livremente sua identidade de gênero”.

A decisão foi tomada pelo Comitê da Diversidade e da Inclusão do colégio. Esse mesmo comitê também se compromete a realizar palestras sobre a questão.

Reações da sociedade

No jornal “Os Pingos nos Is”, da Rádio Jovem Pan, o jornalista José Maria Trindade ressaltou o desserviço que tal atitude pode fazer. De acordo com ele, essa “neutralização de gênero” não é capaz de incluir quem quer que seja. Trata-se apenas de uma “esquisitice”:

“Não importa o nome. Importa é o respeito que se dá às pessoas. As pessoas merecem respeito, sejam elas brancas, pardas, negras, gays, lésbicas, transexuais e tudo o mais”.

Já o jornalista Augusto Nunes, orientou aos pais: “O que eu recomendo aos pais dos alunos que estudam nessa coisa é que tirem os filhos de lá. Porque eles não vão falar nem Português nem essa outra língua estranha. Eles estarão condenados pelos próprios professores a falar um subdialeto que vai fazer com que eles sofram bullying até de analfabeto”.

Ideologia de gênero nas escolas

Levar a ideologia de gênero às escolas não é uma atitude exclusiva de colégios brasileiros. Na Inglaterra, por exemplo, há organizações educacionais dedicadas a “esmagar completamente a heteronormatividade”. Clique aqui e saiba mais sobre o assunto.

Todavia, uma experiência realizada na Escócia mostra que a implementação da ideologia de gênero nas escolas causou um aumento no registro de casos de jovens que se diziam confusos sobre sua identidade masculina ou feminina. Crianças a partir de seis anos de idade eram encaminhadas para unidades especializadas e alegavam confusão de identidade de gênero.

Esse é um dos motivos pelos quais especialistas não recomendam que o tema seja abordado superficialmente por colégios. Para entender melhor essa opinião, clique aqui.


Escola pode impor ideologia de gênero?
  • Redação: Foto: Getty Images 


reportar erro