Rede aleluia
Em Goiás, presos recebem diploma de curso profissionalizante
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de dezembro de 2019 - 00:05


Em Goiás, presos recebem diploma de curso profissionalizante

Apenas 13% dos detentos do País têm acesso à educação nos presídios, apontou pesquisa

Em Goiás, presos recebem diploma de curso profissionalizante

Uma iniciativa do programa social Universal nos Presídios (UNP) está ajudando detentos de Goiás a concluir os estudos e a se profissionalizar. Trata-se do projeto Volta por Cima – A Ressocialização por meio da Educação.

Recentemente, 20 detentos da Casa de Prisão Provisória de Rio Verde (GO) participaram da primeira turma de formandos. Depois de um ano e de cumprirem uma carga de 200 horas, os reeducandos receberam o diploma de conclusão do curso de assistente administrativo, concluído pelo método de educação a distância (EAD) em parceria com a faculdade Fan Padrão.

Segundo Rogério (nome fictício), um dos detentos, estudar foi a melhor forma que ele encontrou para usar o tempo ocioso na prisão e ter um futuro promissor. “Tive todas as oportunidades de estudar lá fora e não as aproveitei, mas, graças à UNP, aprendi que o ensino transforma tanto o nosso currículo profissional como nossa relação interpessoal.”

Para o responsável da UNP de Goiás, Pedro Paulo dos Santos, as prisões devem ser vistas também como estabelecimentos educacionais e não apenas como locais de punição e degradação do ser humano.

“A população de detentos é predominantemente jovem, de baixa escolaridade e passa, em média, oito anos na prisão. Ou essas pessoas têm a oportunidade de estudar e se desenvolver como seres humanos ou serão devolvidas à sociedade em piores condições do que entraram”, disse Pedro.

Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça, dos mais de 812 mil presos no País, 8% são analfabetos, 70% não chegaram a concluir o ensino fundamental e 92% não concluíram o ensino médio.

Mesmo com um nível de escolaridade baixo, apenas 13% dos presos têm acesso à educação nos presídios.

* Com informações do UNIcom


Em Goiás, presos recebem diploma de curso profissionalizante
  • Redação / Fotos: Cedidas 


reportar erro