Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de março de 2018 - 03:05


Duas jovens e algo em comum: o desejo de suicídio

Conheça o projeto do grupo FJU que ajuda jovens com pensamentos negativos

Você conhece o novo grupo do Força Jovem Universal (FJU)? Criado no fim do ano passado, o Projeto Help nasceu com a finalidade de ajudar pessoas que sofrem com o desejo de suicídio.

Desde sua fundação, o grupo tem auxiliado jovens por todo o Brasil. Caroline Patricia, de 21 anos (foto à dir.), por exemplo, é moradora da cidade de São Roque (SP) e encontrou no grupo uma solução para os problemas que a levavam à automutilação.

A jovem conta que, a princípio, se automutilava por influência de amigos que também faziam o mesmo. Para ela, a prática era uma tentativa de amenizar o sofrimento decorrente de problemas familiares. “Eu tinha muito ódio da minha mãe adotiva. Meus pais biológicos me abandonaram quando eu era pequena e, com isso, uma revolta nasceu dentro de mim. Pensei várias vezes em matar a minha mãe adotiva”, lembra a jovem, que também se recorda das agressões à sua mãe.

Caroline relata que os momentos que passava com os amigos não eram capazes de aliviar os maus pensamentos. “Quando chegava em casa, me trancava no quarto e chorava. Eu vivia de aparência e escondia as cicatrizes usando blusas de frio para não ouvir comentários das pessoas.”

Com a microempresária Kelcya Katianne Moreira, de 26 anos (foto à esq.), acontecia o mesmo. Ela também convivia com constantes brigas em casa, mas com um agravante: ela tinha complexo de inferioridade e síndrome do pânico. “Tentei me jogar na frente de um carro, pular de uma passarela e me cortar com uma faca”, disse. A jovem também desenvolveu transtornos alimentares, como a bulimia.

Em entrevista ao portal universal.org, o Bispo Marcello Brayner, coordenador nacional do FJU, explica que tratar o assunto como tabu pode aumentar o risco de os jovens vulneráveis cometerem suicídio. “As pessoas sofrem por falta de conhecimento. Estamos nas redes sociais falando do assunto para que aqueles que vivem esta situação saibam que existem pessoas que podem ajudá-las.”

Uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde, no ano passado, apontou o crescimento em 12% no número de suicídios entre 2011 e 2015. É a quarta maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos.

“Podemos mudar este cenário por meio da conscientização, do atendimento e do apoio aos jovens. O trabalho do Help é fazer com que aqueles que vivem desta forma vejam que vale a pena viver”, reiterou o Bispo Brayner.

Quem deseja receber ajuda do Projeto Help deve procurar a Universal mais próxima e se informar com o pastor responsável pelo FJU no local ou entrar em contato com o grupo por meio das redes sociais.


  • Por Rafaela Dias / Fotos: Cedidas  


reportar erro