Rede aleluia
Curso de capacitação na Abads é ferramenta para educadores voluntários
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de dezembro de 2019 - 11:47


Curso de capacitação na Abads é ferramenta para educadores voluntários

Aulas enriquecem a experiência de abordagem e elaboração de atividades nas salas de apoio, que recebem crianças autistas e com deficiência intelectual

Curso de capacitação na Abads é ferramenta para educadores voluntários

Capacitar educadores e voluntários a compreender as necessidades das crianças com autismo e deficiência intelectual, instrumentalizando-os no manejo de comportamentos e na elaboração e desenvolvimento de atividades lúdicas e pedagógicas. Esse foi o objetivo do curso oferecido, recentemente, pela Associação Brasileira de Assistência e Desenvolvimento Social, a Abads.

Entre os meses de novembro e dezembro últimos, cerca de 50 alunos participaram do curso de capacitação que contou com aulas ministradas por coordenadoras da Abads e especialistas (neuropediatra, psiquiatra infantil e fonoaudióloga). Ademais, abordou temas como compreensão das diferentes deficiências, redução dos comportamentos inadequados, estimulação da linguagem funcional e estruturação do ambiente de atividades.

A maior parte desses alunos era de educadores voluntários, alguns oriundos de projetos sociais da Universal, que atuam nas salas de apoio das igrejas cuidando das crianças durante as reuniões, e da Escola Bíblica Infantil (EBI). Uma das voluntárias, Mônica Aparecida da Silva, de 35 anos, participa do Grupo da Saúde e atende também na sala de apoio no Brás, em São Paulo.

“É uma oportunidade muito gratificante. Como realizamos um trabalho na sala de apoio dedicado às crianças com necessidades especiais, o curso ofereceu um aprendizado para ajudar a nos comunicar melhor com elas. Pois, é difícil quando umas são mais reservadas e outras, mais ativas. Aprendemos a linguagem delas, a observar as necessidades e a identificar o que precisam. A cada aula já aplicamos os conteúdos e as atividades direcionadas. Como voluntária do Grupo da Saúde também visito hospitais e ainda levo os ensinamentos para o trabalho nesses locais”, contou.

Cursos são abertos à comunidade

Mensalmente, a Abads atende por volta de mil crianças, jovens e adultos com deficiência intelectual e autismo. Uma equipe de coordenadores em diversas áreas realiza diariamente ações que visam a independência, a autonomia, a inclusão escolar, social e no campo de trabalho dessas pessoas.

Uma delas é a analista do comportamento, coordenadora dos cursos de capacitação e formação, Valeria Mendes. Há 10 anos atuando na associação, ela ministrou uma aula sobre como lidar com crianças com comportamentos inadequados e desafiadores. Ela conta que desde 2016 os cursos são abertos à comunidade e explica também como funciona o planejamento deles.

“Quando organizamos um curso como esse, a principal preocupação é pensar qual o público vai estar presente e o que ele vai levar daqui para complementar seu conhecimento. Esse curso, por exemplo, não teve o objetivo de uma formação técnica, mas, de instrumentalizar um público mais leigo. E, foi organizado a partir de práticas baseadas em evidências, sustentadas por pesquisas que fundamentam e norteiam nosso trabalho utilizado na Abads”, disse.

“Não é só educar, mas ensinar valores”

Muitas alunas eram educadoras da EBI que, por sentirem necessidade de buscar ajuda para os cuidados com esse público, crianças e jovens com autismo e deficiência intelectual, encontraram no curso uma fonte de conhecimento e troca de experiências. E, já estão colocando em prática e aperfeiçoando algumas ideias que receberam durante as aulas.

Assim aconteceu com Beatriz Rodrigues (à esquerda na foto), de 27 anos, que atua na coordenação da EBI no Templo de Salomão – que atende centenas de crianças diariamente, durante o período das reuniões, de manhã, tarde e noite –, e participa do projeto de adaptação e inclusão das crianças com deficiência. Ela atua especificamente com crianças de 4 a 10 anos.

“No último dia de aula, por exemplo, aprendemos como organizar melhor o ambiente e o material para receber e acolher essas crianças. É muito importante, pois, fazemos adaptações dos manuais com os temas educativos que envolvem o ensino de valores. Até mesmo para facilitar a rotina das crianças, abordando a inclusão e a tolerância. Sentimos a necessidade de adaptar o conteúdo para o melhor recebimento delas. Estamos nos aprimorando e aprendendo a individualizar o tratamento, mas ao mesmo tempo integrá-las ao grupo. E, ensinar outras crianças a compreender a diferença, amar e respeitar o outro. É um desafio grande, mas o curso tem ajudado a olharmos de outra perspectiva. Não é só educar, mas ensinar valores”, afirmou.

Uma experiência enriquecedora

O último dia de aula foi ministrado pela pedagoga e coordenadora da Abads Vivian Santos. Há 10 anos trabalhando diretamente com autistas, ela apontou como essa troca de experiência com quem lida com as crianças em salas de apoio é enriquecedora e como dá para trabalhar, mesmo com poucos recursos.

“Eles perguntam muito, participam e é por meio da necessidade deles que acabamos modelando e adequando a aula. Eu repasso um pouco da experiência do que abordamos também com os profissionais. Mostramos as atividades estruturadas na prática e apresentamos os materiais. Trabalhamos muito com reciclado. Um pregador, por exemplo, pode fazer o movimento de pinça com as mãos, que no futuro faz com que as crianças peguem no lápis corretamente para aprender a escrever. Com pouco a gente consegue fazer muito pelo ensino. Às vezes, só o próprio ambiente é favorável para você ensinar uma habilidade”, declarou.

A Abads

A Associação Brasileira de Assistência e Desenvolvimento Social é uma organização sem fins lucrativos. Desde 1952 atende crianças, jovens e adultos portadores de síndrome de Down, autismo e outras necessidades. Caso queira conhecer mais sobre esse trabalho desenvolvido no local e apoiar a instituição, acesse a página oficial da Abads nas redes sociais.


Curso de capacitação na Abads é ferramenta para educadores voluntários
  • Michele Roza / Fotos: Cedidas 


reportar erro