Rede aleluia
Caso TVI: Mulher que mentiu na Justiça sobre Universal pede desculpas
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de novembro de 2019 - 12:24


Caso TVI: Mulher que mentiu na Justiça sobre Universal pede desculpas

Maria de Fátima acusou igreja de roubo, mas agora revela a verdade

Caso TVI: Mulher que mentiu na Justiça sobre Universal pede desculpas

Há cerca de dois anos a emissora de televisão portuguesa TVI publicou uma série de reportagens em que acusava a Universal de comandar uma rede de adoções ilegais. Em maio deste ano, a Justiça de Portugal comprovou, mais uma vez, que as acusações eram mentirosas.

Relembre todo o caso, clicando aqui.

Um dos pilares para que essas acusações fossem feitas foi a declaração de Maria de Fátima Lemos Moreira. Ela é mãe biológica de Pedro e Filipe Cardoso. As guardas das crianças foram entregues à Justiça de Portugal. Posteriormente, os bebês foram adotados por membros da Universal.

Mais de 20 anos depois, Maria de Fátima declarou nas reportagens que seus filhos foram roubados pela Universal. Quando a Justiça exibiu documentos oficiais mostrando que ela entregou os filhos para adoção, a mulher disse que as assinaturas eram falsas.

Entretanto, os tribunais portugueses resgataram todos os documentos da época das adoções. A perícia determinou que as assinaturas eram, sim, de Maria de Fátima. E que todo o processo correu conforme a lei exige.

Agora, Maria de Fátima revela a verdade.

O pedido de desculpas

A Justiça de Portugal arquivou o processo contra a Universal e seus membros, provando que jamais foram cometidos crimes nas adoções realizadas. Buscando reparar os danos causados à imagem da instituição, a Universal processou a TVI, a jornalista responsável Alexandra Borges, Maria de Fátima e outra mãe que também mentiu sobre o assunto.

No dia 18 de outubro, Maria de Fátima pediu desculpas na Justiça e revelou toda a verdade.

“É falso que alguma vez a IURD ou qualquer pessoa com ela relacionada tenha roubado os seus filhos”, afirma ela, em documento enviado à juíza Margarida Gaspar, do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. “Muito pelo contrário, só pode agradecer à IURD os bons cuidados e o carinho que foi dado aos seus filhos por aquela instituição e pelos seus pais adotivos”.

Então, por que a mentira?

Manobra por quem queria audiência

Nesse mesmo documento, Maria de Fátima revela que mentiu induzida por pessoas que buscavam ganhar público. Ela diz que foi “manipulada pela jornalista da TVI, Alexandra Borges, para confirmar uma história inverídica e sensacionalista criada por aquela jornalista em prol das audiências”.

Segundo revela Maria de Fátima, ela só aceitou “corroborar a versão da TVI e proferir as afirmações que constam nas reportagens iludida pelas vãs promessas da jornalista de que, se o fizesse poderia, rever os seus filhos”.

A TVI nega essas acusações.

Após o pedido de desculpas, a Universal retirou o processo contra Maria de Fátima.


Caso TVI: Mulher que mentiu na Justiça sobre Universal pede desculpas
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro