Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de abril de 2019 - 17:03


Brigas de família levam mulheres a morar nas ruas

Voluntarias resgatam vítimas de violência doméstica.

Recentemente, o programa social Raabe, de amparo as mulheres vítimas de abuso ou trauma, iniciou atendimento no Centro de Acolhida Especial para Mulheres em Situação de Rua – Maria Maria, localizado na cidade de São Paulo. Muitas delas abandonam suas residências em decorrência de violência doméstica.

O Raabe está oferecendo para essas mulheres o curso “Autoconhecimento”, todas as segundas-feiras. Em seguida, as voluntárias oferecem aconselhamento individual às alunas.

Fernanda Lellis, coordenadora do Raabe, conta que o processo de resgate da autoestima não é tão simples como parece. “Algumas mulheres demoram meses para recuperar os seus valores e começar a enxergar que para ela ainda tem jeito. No curso, elas têm aprendido sobre a importância de se conhecer e de se valorizar”, explicou a coordenadora.

Na última segunda (25), as voluntárias proporcionaram às mulheres acolhidas pela instituição um café da tarde especial, onde kits de maquiagem e sessões de massagem foram oferecidos para todas.

“Foi uma tarde maravilhosa. Me senti amada, acolhida, valorizada”, disse uma vítima de violência doméstica, moradora do abrigo, que não quis se identificar.

Além do curso Autoconhecimento, o programa social pretende, futuramente, levar até essas mulheres cursos profissionalizantes, para que possam ter a oportunidade de obter uma renda extra.

Saiba mais sobre o Raabe

Desde novembro de 2011, o Raabe ampara mulheres vítimas de violência doméstica e abusos, oferecendo-lhes atendimento jurídico, social, emocional e espiritual. São realizados cursos e palestras que auxiliam no resgate e fortalecem a autoestima da mulher.

O grupo está presente em todos os estados brasileiros, nos Estados Unidos e em outros países da Europa e da América Latina.

Em 2018, 102 mil mulheres foram atendidas pelo programa social.


  • Unicom / Fotos: iStock e Cedidas 


reportar erro