Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de agosto de 2017 - 03:05


Bíblia em 1 ano – Leia o 238º dia

1 Samuel 18, Romanos 16 e Lamentações 3

“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento…” Oséias 4.6

Conhecer a Bíblia é muito importante para todos nós, especialmente nos momentos mais difíceis de nossas vidas, pois Deus fala conosco por meio de Sua Palavra. O Espírito Santo nos conduz, nos orienta, e quando passamos por tribulações, Ele nos faz lembrar do que está escrito na Bíblia, de uma Palavra de Deus que nos conforte. Mas só nos lembraremos se tivermos conhecimento Dela.

Por isso, elaboramos um plano para que você leia a Bíblia em 1 ano. Se você ainda não começou, clique aqui e comece agora, não deixe para amanhã. Você verá o quanto isso transformará a sua vida.

Se você já está nesse propósito, acompanhe a leitura de hoje.

1 Samuel 18

1. E sucedeu que, acabando ele de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a alma de Davi; e Jônatas o amou, como à sua própria alma.

2. E Saul naquele dia o tomou, e não lhe permitiu que voltasse para casa de seu pai.

3. E Jônatas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma.

4. E Jônatas se despojou da capa que trazia sobre si, e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, e o seu arco, e o seu cinto.

5. E saía Davi aonde quer que Saul o enviasse e conduzia-se com prudência, e Saul o pôs sobre os homens de guerra; e era aceito aos olhos de todo o povo, e até aos olhos dos servos de Saul.

6. Sucedeu, porém, que, vindo eles, quando Davi voltava de ferir os filisteus, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, cantando e dançando, com adufes, com alegria, e com instrumentos de música.

7. E as mulheres dançando e cantando se respondiam umas às outras, dizendo: Saul feriu os seus milhares, porém, Davi os seus dez milhares.

8. Então Saul se indignou muito, e aquela palavra pareceu mal aos seus olhos, e disse: Dez milhares deram a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão só o reino?

9. E, desde aquele dia em diante, Saul tinha Davi em suspeita.

10. E aconteceu no outro dia, que o mau espírito da parte de Deus se apoderou de Saul, e profetizava no meio da casa; e Davi tocava a harpa com a sua mão, como nos outros dias; Saul, porém, tinha na mão uma lança.

11. E Saul atirou com a lança, dizendo: Encravarei a Davi na parede. Porém Davi se desviou dele por duas vezes.

12. E temia Saul a Davi, porque o Senhor era com ele e se tinha retirado de Saul.

13. Por isso Saul o desviou de si, e o pôs por capitão de mil; e saía e entrava diante do povo.

14. E Davi se conduzia com prudência em todos os seus caminhos, e o Senhor era com ele.

15. Vendo então Saul que tão prudentemente se conduzia, tinha receio dele.

16. Porém todo o Israel e Judá amava a Davi, porquanto saía e entrava diante deles.

17. Por isso Saul disse a Davi: Eis que Merabe, minha filha mais velha, te darei por mulher; sê-me somente filho valoroso, e guerreia as guerras do Senhor (porque Saul dizia consigo: Não seja contra ele a minha mão, mas sim a dos filisteus).

18. Mas Davi disse a Saul: Quem sou eu, e qual é a minha vida e a família de meu pai em Israel, para vir a ser genro do rei?

19. Sucedeu, porém, que ao tempo que Merabe, filha de Saul, devia ser dada a Davi, ela foi dada por mulher a Adriel, meolatita.

20. Mas Mical, a outra filha de Saul amava a Davi; o que, sendo anunciado a Saul, pareceu isto bom aos seus olhos.

21. E Saul disse: Eu lha darei, para que lhe sirva de laço, e para que a mão dos filisteus venha a ser contra ele. Disse, pois, Saul a Davi: Com a outra serás hoje meu genro.

22. E Saul deu ordem aos seus servos: Falai em segredo a Davi, dizendo: Eis que o rei te está mui afeiçoado, e todos os seus servos te amam; agora, pois, consente em ser genro do rei.

23. E os servos de Saul falaram todas estas palavras aos ouvidos de Davi. Então disse Davi: Parece-vos pouco aos vossos olhos ser genro do rei, sendo eu homem pobre e desprezível?

24. E os servos de Saul lhe anunciaram isto, dizendo: Foram tais as palavras que falou Davi.

25. Então disse Saul: Assim direis a Davi: O rei não tem necessidade de dote, senão de cem prepúcios de filisteus, para se tomar vingança dos inimigos do rei. Porquanto Saul tentava fazer cair a Davi pela mão dos filisteus.

26. E anunciaram os seus servos estas palavras a Davi, e este negócio pareceu bem aos olhos de Davi, de que fosse genro do rei; porém ainda os dias não se haviam cumprido.

27. Então Davi se levantou, e partiu com os seus homens, e feriu dentre os filisteus duzentos homens, e Davi trouxe os seus prepúcios, e os entregou todos ao rei, para que fosse genro do rei; então Saul lhe deu por mulher a sua filha.

28. E viu Saul, e notou que o Senhor era com Davi; e Mical, filha de Saul, o amava.

29. Então Saul temeu muito mais a Davi; e Saul foi todos os seus dias inimigo de Davi.

30. E, saindo os príncipes dos filisteus à campanha, sucedia que Davi se conduzia com mais êxito do que todos os servos de Saul; portanto o seu nome era muito estimado.

Romanos 16

1. Recomendo-vos, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencréia,

2. Para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo.

3. Saudai a Priscila e a Áqüila, meus cooperadores em Cristo Jesus,

4. Os quais pela minha vida expuseram as suas cabeças; o que não só eu lhes agradeço, mas também todas as igrejas dos gentios.

5. Saudai também a igreja que está em sua casa. Saudai a Epêneto, meu amado, que é as primícias da Acaia em Cristo.

6. Saudai a Maria, que trabalhou muito por nós.

7. Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em Cristo.

8. Saudai a Amplias, meu amado no Senhor.

9. Saudai a Urbano, nosso cooperador em Cristo, e a Estáquis, meu amado.

10. Saudai a Apeles, aprovado em Cristo. Saudai aos da família de Aristóbulo.

11. Saudai a Herodião, meu parente. Saudai aos da família de Narciso, os que estão no Senhor.

12. Saudai a Trifena e a Trifosa, as quais trabalham no Senhor. Saudai à amada Pérside, a qual muito trabalhou no Senhor.

13. Saudai a Rufo, eleito no Senhor, e a sua mãe e minha.

14. Saudai a Asíncrito, a Flegonte, a Hermes, a Pátrobas, a Hermas, e aos irmãos que estão com eles.

15. Saudai a Filólogo e a Júlia, a Nereu e a sua irmã, e a Olimpas, e a todos os santos que com eles estão.

16. Saudai-vos uns aos outros com santo ósculo. As igrejas de Cristo vos saúdam.

17. E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles.

18. Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples.

19. Quanto à vossa obediência, é ela conhecida de todos. Comprazo-me, pois, em vós; e quero que sejais sábios no bem, mas simples no mal.

20. E o Deus de paz esmagará em breve Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja convosco. Amém.

21. Saúdam-vos Timóteo, meu cooperador, e Lúcio, Jasom e Sosípatro, meus parentes.

22. Eu, Tércio, que esta carta escrevi, vos saúdo no Senhor.

23. Saúda-vos Gaio, meu hospedeiro, e de toda a igreja. Saúda-vos Erasto, procurador da cidade, e também o irmão Quarto.

24. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém.

25. Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto,

26. Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé;

27. Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém.

Lamentações 3

1. Eu sou aquele homem que viu a aflição pela vara do seu furor.

2. Ele me guiou e me fez andar em trevas e não na luz.

3. Deveras fez virar e revirar a sua mão contra mim o dia todo.

4. Fez envelhecer a minha carne e a minha pele, quebrou os meus ossos.

5. Edificou contra mim, e me cercou de fel e trabalho.

6. Assentou-me em lugares tenebrosos, como os que estavam mortos há muito.

7. Cercou-me de uma sebe, e não posso sair; agravou os meus grilhões.

8. Ainda quando clamo e grito, ele exclui a minha oração.

9. Fechou os meus caminhos com pedras lavradas, fez tortuosas as minhas veredas.

10. Fez-se-me como urso de emboscada, um leão em esconderijos.

11. Desviou os meus caminhos, e fez-me em pedaços; deixou-me assolado.

12. Armou o seu arco, e me pôs como alvo à flecha.

13. Fez entrar nos meus rins as flechas da sua aljava.

14. Fui feito um objeto de escárnio para todo o meu povo, e a sua canção todo o dia.

15. Fartou-me de amarguras, embriagou-me de absinto.

16. Quebrou com cascalho os meus dentes, abaixou-me na cinza.

17. E afastaste da paz a minha alma; esqueci-me do bem.

18. Então disse eu: Já pereceu a minha força, como também a minha esperança no Senhor.

19. Lembra-te da minha aflição e do meu pranto, do absinto e do fel.

20. Minha alma certamente disto se lembra, e se abate dentro de mim.

21. Disto me recordarei na minha mente; por isso esperarei.

22. As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim;

23. Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade.

24. A minha porção é o Senhor, diz a minha alma; portanto esperarei nele.

25. Bom é o Senhor para os que esperam por ele, para a alma que o busca.

26. Bom é ter esperança, e aguardar em silêncio a salvação do Senhor.

27. Bom é para o homem suportar o jugo na sua mocidade.

28. Assente-se solitário e fique em silêncio; porquanto Deus o pôs sobre ele.

29. Ponha a sua boca no pó; talvez ainda haja esperança.

30. Dê a sua face ao que o fere; farte-se de afronta.

31. Pois o Senhor não rejeitará para sempre.

32. Pois, ainda que entristeça a alguém, usará de compaixão, segundo a grandeza das suas misericórdias.

33. Porque não aflige nem entristece de bom grado aos filhos dos homens.

34. Pisar debaixo dos seus pés a todos os presos da terra,

35. Perverter o direito do homem perante a face do Altíssimo,

36. Subverter ao homem no seu pleito, não o veria o Senhor?

37. Quem é aquele que diz, e assim acontece, quando o Senhor o não mande?

38. Porventura da boca do Altíssimo não sai tanto o mal como o bem?

39. De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados.

40. Esquadrinhemos os nossos caminhos, e provemo-los, e voltemos para o Senhor.

41. Levantemos os nossos corações com as mãos para Deus nos céus, dizendo:

42. Nós transgredimos, e fomos rebeldes; por isso tu não perdoaste.

43. Cobriste-te de ira, e nos perseguiste; mataste, não perdoaste.

44. Cobriste-te de nuvens, para que não passe a nossa oração.

45. Como escória e refugo nos puseste no meio dos povos.

46. Todos os nossos inimigos abriram contra nós a sua boca.

47. Temor e laço vieram sobre nós, assolação e destruição.

48. Torrentes de água derramaram os meus olhos, por causa da destruição da filha do meu povo.

49. Os meus olhos choram, e não cessam, porque não há descanso,

50. Até que o Senhor atente e veja desde os céus.

51. Os meus olhos entristecem a minha alma, por causa de todas as filhas da minha cidade.

52. Como ave me caçam os que, sem causa, são meus inimigos.

53. Cortaram-me a vida na masmorra, e lançaram pedras sobre mim.

54. Águas correram sobre a minha cabeça; eu disse: Estou cortado.

55. Invoquei o teu nome, Senhor, desde a mais profunda masmorra.

56. Ouviste a minha voz; não escondas o teu ouvido ao meu suspiro, ao meu clamor.

57. Tu te aproximaste no dia em que te invoquei; disseste: Não temas.

58. Pleiteaste, Senhor, as causas da minha alma, remiste a minha vida.

59. Vi ste, Senhor, a injustiça que me fizeram; julga a minha causa.

60. Viste toda a sua vingança, todos os seus pensamentos contra mim,

61. Ouviste a sua afronta, Senhor, todos os seus pensamentos contra mim,

62. Os lábios dos que se levantam contra mim e os seus desígnios me são contrários todo o dia.

63. Observa-os ao assentarem-se e ao levantarem-se; eu sou a sua música.

64. Tu lhes darás recompensa, Senhor, conforme a obra das suas mãos.

65. Tu lhes darás ânsia de coração, maldição tua sobre eles.

66. Na tua ira os perseguirás, e os destruirás de debaixo dos céus do Senhor.

O que você aprendeu com a leitura de hoje? Deixe o seu comentário.

E não desanime. Continue firme para ler a Bíblia em 1 ano, aqui no Universal.org.

Acompanhe a leitura do 237º dia clicando aqui.

Se você ainda não começou, clique aqui e comece agora, não deixe para amanhã.


  • Da Redação / Foto: Thinkstock 


reportar erro