Rede aleluia

Notícias | 2 de maio de 2019 - 10:54


Atletas e a depressão

Conheça um tratamento que realmente funciona no combate à doença da alma

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão atinge 322 milhões de pessoas no mundo. No período de 2005 a 2015, foi registrado um aumento de 18,4% nos casos.

A doença da alma não escolhe classe social ou etnia, tampouco atinge uma faixa etária específica. Segundo a Associação Brasileira de Psicanálise, ao menos 10% das crianças e adolescentes também sofrem com a depressão.

Estudos e especialistas apontam que a prática regular de atividades físicas podem melhorar o quadro de depressão. Mas, como explicar, então, casos de atletas que já sofreram ou sofrem com a doença?

A patinadora britânica Elise Christie, de 28 anos, (foto ao lado) revelou, recentemente, ter sofrido com depressão e ansiedade por dois anos. Elise, que já foi campeã mundial de patinação e conquistou três títulos mundiais em 2017, utilizou uma rede social para desabar com os fãs.

“Durante o tempo em que tomei remédios (por dois anos), senti que não podia falar abertamente sobre isso. Sofri por dois anos com depressão e ansiedade; isso me impediu de ser eu mesma”, destacou a jovem.

E não é preciso ir muito longe. No Brasil, semelhantemente, há relatos de atletas que sofrem com a depressão.

O jogador de futebol, Nilmar Honorato (foto abaixo) é dono de uma carreira brilhante. Atuou em grandes clubes brasileiros, tem passagem pelo futebol europeu e participação na Copa do Mundo de 2010. Com uma vida financeira estável e bem-sucedida, Nilmar, que joga como atacante, se encontrou em uma situação, onde seu adversário já não era mais o goleiro do time opositor, mas a depressão.

Dias difíceis

Recentemente, o atacante declarou, em entrevista a uma emissora, que viveu dias difíceis e com todos os sintomas possíveis da doença. “Eu só chorava. Todos os sintomas que vocês puderem pesquisar, eu vivi, além de sofrer de insônia, eu não conseguia dormir”, relatou o jovem.

Nilmar ainda se declarou uma pessoa que se cobra em excesso, o que, para ele, pode ter ajudado a desencadear a doença. “Por que isso comigo? Talvez por ter vindo também do interior, ter saído do nada, eu me cobrava muito. Eu não tinha nada, conquistei tudo que eu conquistei na minha carreira e estou passando por isso? Por que eu?”, indagou ele.

O atacante já está há um ano e sete meses sem jogar e acredita que, dificilmente, voltará a brilhar nos campos pelo mundo.

Como tratar a depressão?

A dor da alma e o sentimento de angústia, entretanto, devem ser tratados como tal. O salmista Davi também passou por momentos difíceis e sentia-se angustiado. Veja no texto a seguir:

“Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus.” Salmos 42:11

Na Bíblia comentada, edição especial de 40 anos, o Bispo Edir Macedo explica que em momentos de aflição e angústia, o Espírito Santo é quem dá ao ser humano, sobretudo, forças para superar isso tudo.

“Recebemos do Espírito Santo força para vencer, independentemente de ajudas externas. Se por um momento você não vir o cumprimento das promessas de Deus em sua vida, ao invés de murmurar e desanimar, tenha um ato de fé, pregue para si mesmo e recobre suas forças”, destacou o Bispo.

Reunião de tratamento para depressão

Todas as sextas feiras, na Universal, acontece uma reunião especial contra a depressão. Bispos, pastores e obreiros se dedicam a ajudar quem sofre desse mal, mas que deseja ser livre.

Encontre a Universal mais próxima de você, clicando aqui.

No Templo de Salomão, em São Paulo, a reunião acontece ao meio-dia. O Templo fica localizado na Avenida Celso Garcia, 605, Brás, São Paulo. O encontro também acontece às 10h, 15h e 20h. Participe!


  • Rafaela Dias / Foto: iStock e Reprodução Facebook 


reportar erro