Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de setembro de 2018 - 00:05


A violência do bullying não é algo aceitável

Saiba o que leva alguns jovens a terem comportamentos agressivos e como deixar de ser vítima de violência física e psicológica

Atos de violência física ou psicológica, praticados por um único indivíduo ou um grupo, que causam dor e angústia, são cada vez mais discutidos na sociedade por sua recorrência e gravidade, principalmente entre os jovens. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a violência interpessoal está entre as cinco principais causas de morte de jovens entre 10 e 29 anos.
Abuso emocional, brigas e bullying são alguns exemplos de violência interpessoal – que podem se dar em caráter doméstico e intrafamiliar ou comunitário e extrafamiliar. Neste último caso, quando ocorre no ambiente social em geral, entre conhecidos ou desconhecidos, por meio de agressão e atentando contra a integridade e a vida de uma pessoa.
“O bullying não é aceitável”
Os jovens fazem parte do grupo que, cada vez mais cedo – ainda mesmo na infância -, estão sendo atingidos com o problema, inclusive com risco de morte. Como aconteceu, recentemente, ao menino Carter English, de apenas 6 anos. Ele foi espancado por outras crianças da mesma faixa etária, em sua vizinhança, no estado de Washington, nos Estados Unidos. O caso teve grande repercussão devido à gravidade e à gratuidade da violência.
Ao defender um amigo que estava sofrendo bullying, Carter foi atacado com pedras e gravetos, teve um braço quebrado e foi internado por conta dos ferimentos. Agora, depois da agressão física que sofreu, o menino teme que isso possa acontecer de novo. A mãe dele, Dana English, comentou à imprensa que “não há motivo que justifique intimidar alguém” e gostaria que os outros pais soubessem que “o bullying não é algo aceitável”.
Espelho da sociedade
Metade das crianças e jovens do mundo foi vítima de bullying em algum momento da vida, apontou uma pesquisa da Organização das Nações Unidas (ONU). A consulta entrevistou 100 mil crianças de 18 países. Diante desse cenário, a questão que vem à tona é o que leva tantos jovens a terem um comportamento intolerante e agressivo?

O psicólogo Guilherme Arinelli, mestre pela PUC Campinas, e que atua na área de Psicologia Escolar e Educacional com interesse em desenvolvimento humano, explica que o comportamento dos jovens – e de todas as pessoas – está intimamente associado com o contexto em que vivem, a educação que receberam e com a cultura da qual fazem parte.
“Não podemos isolar o comportamento como algo descolado da realidade. Vivemos em uma sociedade agressiva e violenta, com grandes dificuldades de comunicação. O que se expressa na escola ou em outros contextos institucionais é uma expressão da violência que está presente no nosso cotidiano. É importante analisar o contexto em que as agressões acontecem e quem são os envolvidos”.
Uma das formas para combater isso tudo, ressalta o profissional, é abrindo mais espaços de diálogo e mediando as relações, favorecendo momentos de fala e de escuta. “Ao compreender como o outro se sente e quais as causas e consequências das ações, desenvolvemos uma capacidade de comunicação mais assertiva e não agressiva”, disse.
“Eu fui vítima de bullying
Ainda de acordo com o estudo da ONU, a maioria dos casos de bullying relatados foi motivado por questão de aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem. No entanto, apesar do sofrimento e das humilhações, muitas pessoas são capazes de fazer disso um impulso, como motivação de crescimento para superar os problemas e ter uma vida melhor.
A jovem portuguesa Diana Lopes desde pequena sofreu com as maldades dos colegas de escola. “Eu era uma criança muito introvertida. Por não estar dentro dos padrões de beleza esperados e ter problemas de aprendizagem era ridicularizada, vítima de bullying. Cheguei a ser agredida com beliscões e até com tapas no rosto”, conta.
Esse sofrimento foi fazendo dela uma jovem insegura, triste e que chorava o tempo todo, pois, acreditava que, se contasse o que acontecia a ela para alguém, corria o risco de piorar ainda mais a situação. “Sentia-me a pessoa mais feia e mais incapaz de fazer qualquer coisa”, lembra. Contudo, Diana conseguiu superar a angústia e o medo.
Ela contou com o apoio de um grupo de jovens que mostrou o quanto é importante se valorizar. “Os comentários e as ameaças foram deixando de me importar. De insegura, cheia de medos e traumas, passei a ser segura, enfrentando o que era necessário e sabendo onde queria chegar”, relata Diana.
Diga não ao bullying
O grupo de jovens ao qual Diana se refere é o Força Jovem Universal (FJU) de Viseu, a segunda maior cidade da região central de Portugal. Ela explica que esse apoio a fez sair da sua zona de conforto, vencer os medos e alcançar a jovem que sempre ambicionou ser. “Tudo isso eu devo ao FJU que me deu desafios para superar e palavras de edificação que investem no meu lado forte”, conclui.
A Universal mantém projetos voltados para cuidar, orientar e conscientizar crianças e jovens, em diversas faixas etárias, como o Escola Bíblica Infantil (EBI) – de 0 a 11 anos, o Força Teen Universal (FTU) – de 11 a 14 anos, e o Força Jovem Universal (FJU).
O grupo FJU desenvolve diversas atividades culturais, sociais, esportivas e espirituais com o objetivo de alcançar a juventude. Realiza, também, várias ações como o “Vale a Pena Viver” e o “Saiba Dizer Não” que auxiliam e conscientizam sobre temas polêmicos e pertinentes aos jovens, como o vício em drogas, a depressão e o bullying.
Para saber como fazer parte ou ser voluntário de um dos projetos, compareça à Universal mais próxima da sua residência. Procure o endereço, clicando aqui.


  • Michele Roza / Fotos: iStock e Universal Portugal 


reportar erro