Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de novembro de 2016 - 00:05


A desconfiança nos relacionamentos

Pesquisa mostra que quase metade dos brasileiros tem necessidade de controlar o parceiro. Veja como restaurar a confiança perdida

Confiar no parceiro deveria ser primordial em um relacionamento a dois. Entretanto, muitas pessoas, dominadas pela desconfiança, passam a monitorar tudo que o outro faz.

De acordo com uma pesquisa do Instituto Quantas, 45% dos brasileiros acreditam que seja necessário controlar a vida do parceiro. Em todo o Brasil, 802 pessoas maiores de 16 anos foram ouvidas. Entre os comprometidos, 67% já exerceram algum tipo de controle e 79% confiam no parceiro. Do total, 75% sofreram controle e 63% já insistiram em um relacionamento mesmo que não estivessem felizes. Uma conclusão contraditória, pois a maioria dos entrevistados demonstra confiar e ao mesmo tempo desconfiar do companheiro.

Mas, afinal, quais os motivos para alguém ter o desejo de vigiar os passos do parceiro? Segundo a psicóloga Naura Stella Matiussi, “a raiz da desconfiança é a insegurança. Uma personalidade assim pode caracterizar alguém excessivamente controlador e ciumento”, destaca.

E o avanço da tecnologia favorece que as crises de ciúmes e desconfiança aumentem ainda mais. Para a psicóloga, “a tecnologia amplia a ação da pessoa controladora, que a utiliza como instrumento para fiscalizar o parceiro.

A falta de confiança e a necessidade de manter o outro sob controle 24 horas são questões patológicas e geram sofrimento para todos os envolvidos. “Tanta desconfiança assim é um alerta: a pessoa precisa de ajuda, pois a tendência é repetir esse padrão comportamental em qualquer relação. E não há relacionamento que resista sem confiança e respeito”, adverte a especialista.

Como restaurar a confiança?

Um relacionamento tomado pela desconfiança fica insustentável. Contudo, é possível restaurá-lo. Em seu blog, no texto Primeiro passo para reconstruir a desconfiança, o escritor Renato Cardoso escreve que reconstruir a relação após a quebra de confiança entre o casal é difícil, mas não impossível. “Se ambas as partes querem de fato salvar a relação, os dois devem trabalhar em conjunto. É preciso começar a praticar a transparência total e adotar uma política de livro aberto com o outro”, orienta.

Renato também dá algumas dicas aos casais que enfrentam o problema. “Não demonstre irritação quando seu parceiro lhe faz perguntas. Apenas responda com clareza e em detalhes. Respostas vagas ou incompletas geram mais desconfiança. Seja abundante em sua resposta”, ensina.

Ainda em seu blog, no texto Vencendo os ciúmes e a insegurança, o escritor comenta como agir quanto aos limites na relação a dois. “Há coisas aceitáveis e inaceitáveis em um relacionamento. Ter contatos indevidos com outras mulheres por telefone ou internet é inaceitável. Comunique sua posição para o parceiro”, diz.
E se ainda assim não conseguir restaurar a confiança procure as palestras da “Terapia do Amor”.

Para saber mais como resolver os problemas da vida amorosa, participe das palestras da Terapia do Amor, todas às quintas-feiras, em uma Universal mais próxima de você. A cada palestra, casais, noivos, namorados e solteiros aprendem sobre o amor inteligente e como desenvolver o relacionamento a dois.


  • Por Débora Vieira / Foto: Fotolia  


reportar erro