Rede aleluia
A cada minuto, um caso de violência doméstica contra a mulher é denunciado no País
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de Julho de 2021 - 16:54


A cada minuto, um caso de violência doméstica contra a mulher é denunciado no País

As agressões podem ser de ordem verbal, psicológica, moral, além de física. Saiba como buscar ajuda

A cada minuto, um caso de violência doméstica contra a mulher é denunciado no País

Uma denúncia de violência doméstica a cada minuto. Esse foi o índice apontado pelo 15º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), sobre o número de ligações que a polícia recebeu de vítimas ou de quem presenciou agressões físicas ou psicológicas contra mulheres no ano de 2020.

O levantamento mostrou que a polícia recebeu 694.131 ligações destas denúncias, um crescimento de 16,3% em relação a 2019. “As mulheres estão mais conscientes da necessidade de fazer as denúncias e de que podem utilizar os meios de segurança pública para fazer isso”, afirmou a delegada Jamila Jorge Ferrari, em entrevista ao R7.

O estudo também revelou que 230.160 mulheres denunciaram casos de violência doméstica em 26 estados — sendo o Ceará o único que não informou. Isso significa que, diariamente, uma média de 630 mulheres procuraram uma autoridade policial. Ademais, o número de medidas protetivas de urgência concedidas pelos Tribunais de Justiça aumentou 3,6%.

Ciclo de violência

A recente publicação do estudo coincidiu com a divulgação de um caso que ganhou destaque na mídia: do artista conhecido como DJ Ivis contra sua ex-esposa Pamella. Ela publicou um vídeo das agressões físicas sofridas em casa — em Fortaleza, capital cearense — , e também fez a denúncia às autoridades policiais alguns dias após a violência, fora do flagrante.

“Apesar de termos uma das legislações mais avançadas em termos mundiais, a gente vê que as implementações de políticas públicas ainda estão muito aquém da situação necessária. As mulheres que estão em um ciclo de violência, reféns, muitas vezes não percebem e de vítimas se colocam como culpadas. Então, é uma situação que a gente tem que ter uma nova leitura, não só em legislação e punição, mas também uma leitura social e uma reeducação a respeito deste tema”, declarou a delegada Raquel Gallinati, durante participação no programa “Fala Que Eu Te Escuto”, que abordou o tema e repercutiu diversos casos, de famosos e anônimos.

Agressão evolutiva

Muitas vítimas acabam demorando para fazer a denúncia. Até mesmo por pensarem que podem ter causado alguma situação que influenciou a atitude do agressor, bem como acreditarem que o agressor vai mudar. O que contribui com a impunidade e aumenta o risco de casos de feminicídio. A saber, só ano passado, ocorreram 1.350 feminicídios no País, um aumento de 0,7% em relação ao ano anterior. 81,5% das mulheres são mortas por companheiros ou ex-companheiros e 8,3% por outros familiares.

Ademais, a delegada também deu orientações sobre como a vítima pode identificar a violência doméstica e como deve agir diante dessa situação. “O primeiro passo é identificar que uma agressão é evolutiva (…) A primeira é a verbal, psicológica, moral; quando a mulher se sente angustiada naquele relacionamento. Neste primeiro viés de agressão, ela tem que romper o relacionamento (…) Os agressores procuram as vítimas vulneráveis, e as vítimas estão vulneráveis justamente pela sua baixa autoestima”, comentou.

Clique aqui e assista a este programa do “Fala Que Eu Te Escuto” na íntegra.

Rede de apoio

Por fim, é muito importante buscar ajuda e também denunciar.

A saber, o Disque 180 é um serviço gratuito e confidencial da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos do Ministério dos Direitos Humanos (MDH). Além disso, registra denúncias de violações contra mulheres, as encaminha aos órgãos competentes e realiza seu monitoramento. Ademais, o canal funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Se você está passando por uma situação de violência ou conhece uma mulher que esteja, o grupo Godllywood está aberto para atender todas as mulheres, sem exceção. As voluntárias do grupo oferecem orientações, bem como apoio emocional e espiritual, e em todos os estados brasileiros. Clique aqui para mais informações.


A cada minuto, um caso de violência doméstica contra a mulher é denunciado no País
  • Redação / Fotos: Istock 

  • Colaborador: 

  • Michele Roza


reportar erro