Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Cristiane Cardoso | 1 de agosto de 2019 - 00:05


Estrutura da vida

Enquanto para alguns eu era a felizarda filha do Bispo Macedo, que casou com um pastor e logo foi morar no exterior, lá estava eu, só

Assim que me casei, eu fui embora do Brasil e fiquei vinte anos fora, mas não para fazer a minha vida no exterior e sim para servir a Deus. Há uma grande diferença entre você ir para fora do país para ganhar a vida e ir para ganhar almas. Você não faz planos, não sabe quando vai rever seus parentes e amigos, e, por vezes, sofre preconceito por ser de fora e estar querendo ajudar os da terra. E foi lá fora que Deus me levou aos meus desertos pessoais, tanto no meu casamento, quanto com o meu filho e na Obra de Deus.

Enquanto para alguns eu era a felizarda filha do Bispo Macedo, que casou com um pastor e logo foi morar no exterior, lá estava eu, só, tendo que lidar com as expectativas de todos ao meu redor, enquanto que, na realidade, eu era uma moça insegura e imatura de somente dezessete anos. Por vezes, me olhavam como bobinha, porque não conhece como o mundo funciona. Por vezes, como mimada, porque não sabe o que é sofrer. Era esse olhar que eu acabava tendo a meu respeito, toda vez que abria a minha boca para falar da Palavra de Deus com alguém que já a conhecia. Logo me corava e isso atraía ainda mais os olhares de quem me via totalmente despreparada para estar ali, naquele lugar.

Foi nesse meu despreparo, nessa minha imaturidade, e até insegurança, que Deus, cuidadosamente, me preparou para hoje ser a Cristiane Cardoso que tanta gente conhece por aí. Continuo sendo uma ninguém, mas quando olho para trás, vejo o quanto a minha insignificância, tanto aos meus próprios olhos quanto pela ótica de muitos, foi importante para mim. O Espírito Santo pôde trabalhar em mim. A estrutura que, com certeza, eu nunca teria se tivesse começado grande.

Me decepcionei, fui caluniada, fui maltratada, fui ignorada, fui desrespeitada, fui alvo de chacota, fui isolada, fui perseguida, fui mal interpretada, e muitas vezes dentro da própria Igreja, por pessoas que nunca imaginei que um dia me fariam mal. Mas Deus foi tão maravilhoso comigo, que, na minha solidão, Se fez o suficiente para mim. O Seu Espírito me confortava, me consolava, e me dava forças para não só perdoar, como relevar, e continuar olhando para frente.

É por isso que me identifico tanto com essa passagem:

“Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas, mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em Me entender e Me conhecer, que Eu Sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas Me agrado, diz o Senhor.” Jeremias 9:23,24

Mesmo quando não temos a sabedoria, nem a força que esperam de nós, se conhecemos o Senhor Jesus, já temos a estrutura que precisamos para a vida.

Na fé.


reportar erro