Rede aleluia
Quanto você está disposto a pagar?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 13 de janeiro de 2020 - 00:18


Quanto você está disposto a pagar?

Neste mundo, é mais fácil usar a mentira para conquistar do que a verdade...

Quanto você está disposto a pagar?

Sabemos que quanto maior é o preço de um produto, maior é a sua qualidade. A garantia, a durabilidade, a utilidade e a exclusividade também estão embutidas no preço. Se o custo para obter uma mercadoria é baixo, logo desconfiamos e repensamos se realmente valerá a pena adquiri-la. Muitas vezes, até levamos uma dessas para casa, mas já temos a certeza de que, em breve, precisaremos substituí-la.

Tudo na vida tem o seu preço – não só os bens materiais, mas também as conquistas pessoais. E o quanto você está disposto a pagar determinará a qualidade daquilo que irá adquirir.

Quanto você pagaria por um casamento estabilizado? Por uma carreira de sucesso? Por uma saúde de ferro? Pela paz interior?

Existem aqueles que estão dispostos a sacrificar seus desejos carnais, procurar a pessoa certa e seguir os conselhos de Deus, enquanto outros preferem fazer o que têm vontade, entregar-se ao primeiro que aparecer e seguir seus próprios corações.

Poucos investem em seu conhecimento, estudam e trabalham duro. A maioria prefere enganar o patrão, optar pelo suborno e passar por cima das outras pessoas. Há quem siga uma rotina de exercícios e alimentação balanceada. Mas grande parte das pessoas tem preguiça de se exercitar e nunca abre mão do prazer de comer alimentos calóricos.

No nosso meio, vemos tanto as pessoas que seguem a Palavra de Deus fielmente quanto aquelas que seguem ao Senhor à sua própria maneira.

Eis o porquê de existirem casamentos duradouros e fracassados, grandes profissionais nas capas de revistas e grandes empresários atrás das grades, pessoas sadias e pessoas doentes, vencedores na fé e religiosos que sofrem amargamente. A diferença entre um caso e outro está no preço que cada um teve disposição de pagar para alcançar seu objetivo.

Neste mundo, é mais fácil usar a mentira para conquistar do que a verdade, visto que a primeira traz o resultado imediato e a segunda demanda muito mais tempo e energia. Mas não se esqueça: o grau de dificuldade da conquista é proporcional à qualidade do que você alcançará. Assim como veio, também há de ir.

Quanto você está disposto a pagar: o valor alto da verdade ou o preço baixo da mentira? É você quem decide. E, depois, não terá o direito de reclamar do que levou para casa.


Quanto você está disposto a pagar?
  • Bispo Edir Macedo 


reportar erro