Rede aleluia
Obra de Deus e a Terapia do Amor
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 2 de Fevereiro de 2015 - 12:00


Obra de Deus e a Terapia do Amor

Obra de Deus e a Terapia do Amor

terapia

Estava conversando com o pastor da Vila Mariana sobre os obreiros e a atitude deles para com a Terapia. Falei para ele perguntar na reunião de obreiros: “Quem aqui quer ter problemas no casamento?” Claro, ninguém. Assim como ninguém quer cair em pecado e por isso investe na comunhão com Deus como prevenção. Esta tem que ser a visão para com a Terapia do Amor também — de prevenção, não só de resolver problemas. Esperar ter problemas na vida amorosa/casamento para ir à Terapia é como esperar cair em pecado para buscar a Deus.

Infelizmente, muitos que fazem a Obra, até pastores, pensam que fazer a Obra de Deus é um escudo contra problemas. Veja o caso do pastor no blog do bispo Macedo. Nunca pensou que teria problema no casamento. Até que teve. E acabou perdendo o lugar na Obra também.

Fazer a Obra de Deus não é um escudo. No campo de batalha, o inimigo procura os distraídos. Você pode estar distraído e não prestando atenção ao seu casamento, mas o diabo está. Você pode não estar prestando atenção à sua esposa, mas outro homem está. A esposa pode não estar prestando atenção ao marido, mas outra mulher está. O inimigo busca o elemento surpresa, entra sutilmente, quando você não está atento.

Muitos pastores têm ensinado (ou ensinaram no passado) que a Terapia do Amor é algo só para quem é encalhado ou com problemas no casamento, a ponto de dizer aos obreiros: “Não se preocupe com sua vida sentimental, faça a Obra de Deus e Ele vai cuidar de você.” O engraçado é que eles nunca ensinaram isso aos obreiros sobre a vida financeira, por exemplo. “Faça a Obra de Deus que Ele vai cuidar da sua vida financeira.” Por que será, né?

A corrente de sexta-feira é uma corrente passageira na vida do cristão. A pessoa vem, se liberta, e não precisa mais daquela corrente — desde que se mantenha na fé e cheia do Espírito Santo, não vai mais ter demônio. A terça-feira, a mesma coisa. A corrente dos vícios, a mesma coisa. Então nós temos uns poucos dias que precisam de constante manutenção na vida do cristão, por tratarem de áreas que nunca deixarão de ser necessárias, conforme o próprio bispo disse: (1) a Terapia do Amor, o gênesis da Igreja; (2) quarta e domingo, Salvação e o Espírito Santo; e (3) a segunda-feira, para os que querem prosperar.

renato


reportar erro