Rede aleluia
Solteiros: escolham-se
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 19 de Janeiro de 2015 - 23:42


Solteiros: escolham-se

Solteiros: escolham-se

Você deve se lembrar dos tempos de escola, quando todos se reuniam no campo para formar uma equipe de esporte. Dois líderes de times começavam a escolher as equipes, alternando entre si. “Fulano, vem para cá,” dizia um. “Beltrano, vem para cá,” dizia o outro. E todos naquela expectativa de estar entre os escolhidos. É claro, os melhores jogadores eram escolhidos primeiro e os mais ruinzinhos ficavam por último. Às vezes, alguns nem eram escolhidos e tinham de ficar de fora esperando uma chance, caso alguém se machucasse.
Passado um tempo, os rejeitados não apareciam mais no campo. Arrumavam sempre uma desculpa ou outra coisa para fazer. A vergonha de ficar de fora e o sentimento de rejeição garantiam sua ausência.
É claro que, à primeira vista, eles não foram escolhidos. Mas na verdade, foram eles que não se escolheram. Se excluíram quando não se importaram o suficiente com aquele esporte. Se excluíram quando decidiram não treinar o mínimo necessário para não fazer feio em campo. Se excluíram quando não melhoraram o seu jogo. A culpa era totalmente deles. Afinal, era uma competição e não uma ação de caridade.
A vida também é assim. A vida é uma guerra, uma competição total, não uma instituição de caridade. Você não pode ficar esperando que as coisas sejam trazidas até você numa bandeja. Você tem que correr atrás, fazer por onde, ter méritos.
Todo mundo quer ser escolhido. Não só chamado, mas escolhido. Queremos ser apreciados na classe, no trabalho e na família. Solteiros querem ser escolhidos por alguém especial e se tornarem namorados — ter um relacionamento exclusivo com aquela pessoa. E finalmente se casar. “Ele(a) me escolheu”, é um dos melhores sentimentos que alguém pode ter.
Mas o que acontece com muita gente é que elas mesmas se excluem. Não entendem que nós somos os primeiros que temos de nos escolher. Se eu não me escolho, se eu não me acho digno ou capaz de alguma coisa boa, então por que alguém me escolheria?
Suas escolhas:
Você pode deixar de aparecer em campo, não mais competir, não mais tentar porque cansou de ser ignorado.
Ou você pode se escolher, melhorar o seu jogo, incluir-se e aprender com os que estão jogando melhor que você.
Infelizmente, muitos solteiros optaram pela primeira escolha. Vivem se excluindo mas culpando a A, B e Z por sua solidão.
Alguém disse: “80% do sucesso é comparecer.” Se comparecer, pode ser que por um tempo não será escolhido. Mas se você não comparecer, ninguém saberá que você existe, garantindo assim que você nunca será escolhido.
Escolha-se.
Clique “play” e ouça:

Veja também:

Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…
 
Siga-me no Twitter: @bprenato. Inteligência para sua vida e relacionamento. Se não for para lhe ajudar ou inspirar, não escrevo. Promessa.
 


reportar erro