Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de maio de 2019 - 12:40


Entrelinhas: “Depressão não é frescura”

Acompanhe a segunda parte do programa, exibida no último domingo (5), pelo Univer Vídeo

A segunda parte do programa “Entrelinhas”, que abordou o tema “Depressão não é frescura”, foi transmitida neste domingo, 5 de maio, pelo Univer Vídeo.

Apresentado pelos Bispos Renato Cardoso e Carlos Cucato, o programa contou com a participação da psicóloga Zilmara Gonzaga e da médica Dra. Eunice Higuchi.

Ambas, apesar de serem profissionais da saúde e terem profundo conhecimento científico da doença, causas e tratamentos, por muitos anos foram reféns dela.

Depressão e suicídio

Zilmara (foto à esquerda), que já tinha um histórico de depressão na família, foi diagnosticada com a doença aos 13 anos. Com apenas 3 anos de idade presenciou o suicídio do próprio pai, o que lhe acarretou um trauma muito grande. Somado a isso, ainda sofria bullying na escola.

A psicóloga conta que ficava trancada dentro do quarto escuro (o mesmo que o pai havia se enforcado) e comia compulsivamente. “Era uma angústia muito grande, um desejo de morte que eu não conseguia explicar”.

“A pessoa que sofre com a depressão normalmente é mal-entendida, mal-interpretada e, muitas vezes, até julgada como se fosse uma pessoa que está agindo com frescura, que não quer trabalhar, é preguiçosa. Esses são os termos que, muitas vezes, o depressivo ouve.  E isso só piora, porque a pessoa se sente incompreendida e culpada.  Por isso, ela quer se isolar cada vez mais das pessoas próximas ”, destaca o Bispo Renato.

Ponto de vista médico

A médica Eunice Higuchi (foto à direita) esclarece que, do ponto de vista médico, a depressão acontece em decorrência de fatores biológicos, psicológicos e sociais.

Biológico por questões genéticas, a exemplo do que aconteceu com Zilmara. O componente genético familiar exerce uma influência muito grande na maneira como a pessoa reage a qualquer problema enfrentado.

Leia também:

Entrelinhas: Depressão não é frescura – parte 1

A depressão faz mais uma vítima

Reunião especial para cura da depressão

Social por questões culturais. “A gente observa que em alguns países o número de suicídio é muito maior do que em outros. Países frios e de cultura muito rígida. No Japão, por exemplo, a taxa de suicídio é uma das maiores do mundo”, destaca.

Além disso, continua, ainda existe a diminuição dos neurotransmissores – ocitocina, serotonina e dopamina. Por conta disso é que são receitados os antidepressivos.

Mas apesar de todo esse conhecimento científico, que – sem dúvida – deve ser respeitado, o problema das pessoas continua. Os antidepressivos, sessões de terapia ou mesmo a mudança de país, a prática de esportes, viagens para espairecer, não têm sido suficientes para resolver o problema interior delas.

Ponto de vista da fé

Para o Bispo Renato Cardoso, do ponto de vista da fé, esse problema deixa os sábios confusos e até enlouquecidos. Como diz o versículo:

“Verdadeiramente a opressão faz endoidecer até o sábio”. Eclesiastes 7.7

“Então, na prática, nós entendemos o seguinte: o problema da depressão é de cunho espiritual.  O mal tem a capacidade de usar o fator hereditário, induzindo a pessoa a cometer o suicídio, assim como o familiar fez. Ou seja, várias pessoas na família passam ser mais propensas a cometer o suicídio. A medicina julga isso de biológico, mas nós sabemos que é um mal espiritual que vai induzindo a pessoa a agir da mesma forma”, destaca o Bispo Renato.

Sendo assim, ele explica que para vencer o problema da depressão o primeiro passo é entender que se trata de um problema espiritual. O segundo é buscar a cura por meio do Poder do Senhor Jesus – o Único que tem autoridade sobre os demônios -, para se libertar desse espírito da depressão.

A cura definitiva

Quando o Espírito Santo entra na vida da pessoa, ela não somente fica livre, como também fica blindada contra os problemas. A cura que Deus promove é permanente. “Ele restaura a alma”, concluiu o Bispo Renato.

Para assistir ao programa na íntegra, acesse o Univer Vídeo.  Ainda não é assinante? Clique aqui e faça sua assinatura. Assista também a outros episódios do programa. Não perca!

Tratamento para a cura da depressão

Todas as sextas-feiras, na Universal, acontece a Sessão de Descarrego. Uma reunião especial para aqueles que desejam ficar livres de todo o mal que aflige o corpo e a alma.  As reuniões acontecem, no Templo de Salomão, às 10h, 12h,15h e 20h.

Contudo, o horário do meio-dia foi separado, especialmente, para realizar o Tratamento para cura da depressão.

Templo de Salomão fica localizado na Avenida Celso Garcia, 605, Brás, em São Paulo. Você também pode participar em uma Universal mais próxima de sua casa (consulte o endereço).


  • Jeane Vidal / Fotos: Cedidas 


reportar erro