Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de maio de 2020 - 13:51


Voluntários do projeto Help distribuem mensagens de fé em combate ao suicídio

As cartas são deixadas em pontos estratégicos das cidades como plataformas e bancos de praça

A conscientização sobre o valor da vida em combate ao suicídio, principalmente entre os jovens, vem se mostrando cada vez mais importante, inclusive durante a pandemia do novo coronavírus. Pois, são muitas as pessoas que se sentem ainda mais deprimidas e solitárias nesse período. O suicídio já é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Diante disso, voluntários do grupo Força Jovem Universal (FJU), recentemente, distribuíram cartas em pontos estratégicos de várias cidades brasileiras, com mensagens motivacionais para quem não encontra mais forças para continuar. Ações como essa, realizadas por meio do projeto Help, visam despertar o valor à vida e ajudar quem mais precisa a entender que há uma saída para os problemas e para a depressão.

Em Brasília, no Distrito Federal, um dos locais com maior índice de suicídio é a plataforma do Conic, no centro da cidade. Os voluntários da FJU se dirigiram até lá, em um grupo reduzido de pessoas (para evitar aglomeração) e todos usando máscaras de proteção (cumprindo medidas de prevenção ao contágio do novo coronavírus), e espalharam 300 cartas plastificadas por toda a estrutura da plataforma, muretas, árvores e bancos de praça ao redor.

Dessa forma, levaram mensagens de ânimo e fé, assim, oferecendo um suporte espiritual a quem passa por ali e está enfrentando algum tipo de dificuldade. “Esse trabalho é fundamental para alcançar pessoas literalmente à beira do abismo. Esse suporte pode salvar uma vida, mesmo quando ela mesma desiste de viver. Geralmente, todas as cartas são retiradas em um intervalo de 6 horas”, contou o Bispo Dayvid Windson, responsável pelo grupo FJU no Distrito Federal.

Mensagem que salva vidas

Oferecer suporte espiritual é essencial para salvar vidas. Por meio de uma mensagem de ânimo, alguém que está sofrendo pode despertar a sua fé e afastar o desejo negativo.

“Eu já tive depressão e sei bem o que passa na mente de uma pessoa depressiva. No auge do sofrimento, a única coisa que se pensa é em tirar a própria vida. Por isso, esse trabalho é muito importante. O projeto Help do Força Jovem Universal tem mostrado que é possível tirar a dor, e não a vida. Por meio de uma mensagem de fé escrita na cartinha já conseguimos ajudar muitas pessoas”, afirmou o voluntário Eduardo Lima.

Além de Brasília, no Distrito Federal, a ação do projeto Help também aconteceu em outras localidades do País. Confira aqui as ações na Bahia, no Ceará e em Mato Grosso.

Saiba mais sobre a FJU

A Força Jovem Universal (FJU) foi formada em 1977 e reúne jovens voluntários que têm como um dos seus principais objetivos e ajudar quem se encontra sem perspectiva de vida. Por meio do projeto Help, muitos recebem suporte para vencer problemas como depressão, automutilação, traumas, complexos e bullying. Saiba mais sobre as atividades do grupo, clicando aqui.


  • Michele Roza / Fotos: Cedidas 


reportar erro